30 de Janeiro – Acontece o Rooftop Concert

Uma das bandas mais populares do mundo durante os anos 60, se não a mais famosa, os Beatles estavam em colapso no ano de 1969. A união e sintonia do grupo durante a década que passaram juntos fora, definitivamente, abalada. Os ensaios e gravações, antes repletos de brincadeiras e com o tom de amizade no ar, tornam-se cinzentos e calados – os integrantes estão divididos entre si, em ideias, gostos musicais, composições e até mesmo ritmos musicais. A entrada invasiva de Yoko Ono, a esposa de John Lennon, nos ensaios da banda (o que sempre foi terminantemente proibido com relação a todas as outras esposas que os Beatles tiveram até então, inclusive à primeira mulher de Lennon, Cynthia Powell) e as opiniões desta nos projetos dos “garotos de Liverpool”, com as quais Paul McCartney não compactuava, pois Ono em sua visão tinha uma forma muito… Exótica de se ver a música. George Harrison não mais queria ficar preso às vontades da dupla de compositores Lennon-McCartney, que possuía a hegemonia das canções lançadas pela banda, o que impedia que as composições de Harrison – brilhantes, que fariam sucesso após o fim do conjunto em sua carreira solo – tivessem algum destaque. Harrison, guitarrista da banda desde seus primórdios e considerado “o Beatle tímido” desde sempre, nunca foi avesso aos holofotes, sempre foi afastado deles. Conforme os talentos de George com diferentes instrumentos além da guitarra e com a escrita e composição musical cresciam, o pouco espaço que lhe era dado na banda foi se tornando cada vez menor para ele, até que se decidiu por deixar os companheiros. A Apple Corps, empresa criada pela banda, não estava dando certo, e as riquezas que o grupo gerava, segundo os próprios membros, não retornava a eles – “You Never Give Me Your Money” tem uma letra ácida e trata disso. Assim, as divergências cresceram até se tornarem inconcíliaveis, e o fim da banda se deu.

Mas grandes artistas como eles não poderiam sair do palco sem um último espetáculo de genialidade – e isso foi o Apple Rooftop Concert (que podemos traduzir como “Concerto no Telhado da Apple” ou “Concerto do Telhado da Apple”). No dia 30 de Janeiro de 1969, os “Fab Four” subiriam ao palco para tocar, num dia gélido, rotineiro nos invernos britânicos. O detalhe? O local do show era o telhado da gravadora Apple, como o nome pelo qual ele seria conhecido com o decorrer do tempo já diz. Os cortantes ventos eram insuportáveis, portanto os músicos usaram casacos grossos durante a performance. Por imagens, podemos notar o vento nos cabelos longos e lisos de John, George, Ringo e Paul. Assim que a música começou, alta, a vizinhança notou que eram os Beatles em pessoa no telhado – e os passantes pararam para assistir. Bem, como não foi do agrado de todos, a políca foi chamada, e pediu que eles diminuíssem o volume do som. Foram tocadas diversas canções como a conhecida “Let it Be”, “Get Back”, “Don’t Let me Down” e até mesmo o hino da Inglaterra, o “God Save the Queen” – som que, juntamente com uma parte da música “I Want You (She’s So Heavy” de John, acabou sendo cortado da gravação. Esta cena, que seria a última apresentação ao vivo dos Beatles, ficou marcada para a história. Um ano depois deste concerto a banda The Beatles terminaria oficialmente.

IMAGEM= Fotografia do Apple Rooftop Concert, fotógrafo desconhecido.

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS