Os dias eram assim: livros para entender a verdade sobre o regime militar

0
158

A verdade Sufocada (PDF)

Escrito pelo Coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, Verdade Sufocada conta os relatos dos atentados terroristas promovidos pelos grupos de guerrilha comunista que atuavam no Brasil. Ações do Colina, Var-Palmares, MR8 entre outros. Um livro repleto de evidências contra o discurso democrático da esquerda brasileira.

Rompendo o Silêncio (PDF)

Por sua atuação no DOI/CODI, o Coronel Brilhante Ustra vem sendo acusado através de alguns órgãos da imprensa durante mais de 10 anos e sempre manteve o silêncio.
Em agosto de 1985, quando desempenhava as funções de Adido do Exército, no Uruguai, foi acusado pela atriz e Deputada Bete Mendes em cartas dirigidas ao Presidente da República e ao Ministro do Exército. O episódio teve a maior divulgação no Congresso Nacional e na imprensa. As acusações da Deputada o levaram a escrever este livro. Contando parte de sua vida, o autor narra algumas passagens da Guerrilha Urbana que tentaram implantar no país. Nos capítulos finais rebate as acusações da Deputada Bete Mendes. Ustra relata fatos de sua participação pessoal, num documento que traz à luz episódios desconhecidos da maior parte dos brasileiros e também transforma as suas declarações numa peça de valor para um julgamento isento do leitor.

Orvil: Tentativas de tomada do poder

O movimento armado de 31 de março de 1964, que depôs João Goulart do cargo de Presidente da República, impediu um golpe que os comunistas planejavam desencadear naquela conjuntura que julgavam oportuna, em face dos desmandos de toda ordem, sobretudo políticos e econômicos, bem como da falta de autoridade que o País mal suportava. Salomão Malina, antigo Secretário-Geral do Partido Comunista Brasileiro, em entrevista à imprensa, reconheceu que setores do PCB, com a aprovação de Luiz Carlos Prestes, conspiravam com aquele propósito, por isso que, ardilosamente, iriam aproveitar-se do clima de agitação reinante, na maior parte, provocado pelo próprio governo. O Brasil caminhava, aceleradamente, para um desfecho imprevisível, em virtude do ambiente de desordem generalizada que se agravara a partir de 1961.

 

Ditadura À Brasileira

[…] Enquanto a ditadura argentina fechou cursos universitários […] privatizou e desindustrializou a economia […], no Brasil ocorreu justamente o contrário […]. Os governos militares industrializaram o país, modernizaram a infraestrutura, romperam os pontos de estrangulamento e criaram as condições para o salto recente do Brasil”. Sem se omitir quanto aos excessos que levaram à perseguição, tortura e morte no período entre o final de 1968 e 1979, para ele, porém, “o regime militar brasileiro não foi uma ditadura de 21 anos. Não é possível chamar de ditadura o período 1964-1968 (até o AI-5), com toda a movimentação político-cultural. Muito menos os anos 1979-1985, com a aprovação da Lei de Anistia e as eleições para os governos estaduais em 1982”.

O Golpe de  1964 – O que os livros de História Não te Contam

Golpe de 1964: o que os livros de história não contaram mostra aquilo que a esquerda não quer que você saiba. O livro revela muitos aspectos obscuros dos grupos que se opunham de armas na mão ao Regime Militar. Em destaque estão os crimes cometidos pelos terroristas na tentativa de transformar o Brasil numa ditadura comunista. É o primeiro livro produzido por historiadores que não se curva à patrulha ideológica esquerdista que hoje é hegemônica nas universidades brasileiras. Mostrar as reais motivações que levaram à destituição de João Goulart e à instalação do regime autoritário é fazer justiça aos militares de 1964, bem como condição necessária para que o Brasil possa conhecer seu passado para entender seu presente e pensar no seu futuro.

[Bônus] Dez Maneiras de Destruir a Imaginação do Seu Filho

O professor Anthony Esolen demonstra neste livro por que o modelo de educação infantil contemporâneo não só é ineficiente na criação de um adulto maduro, como é nocivo às faculdades mentais da criança, especialmente à imaginação. Mais do que um diagnóstico assombrosamente preciso dos desastres pedagógicos implementados sistematicamente ao longo das últimas décadas (não só nos EUA), o autor ainda indica o que eles têm em comum — em suma, o ataque à faculdade imaginativa da criança — e os procedimentos para reverter o quadro. Para quem quer que deseje saber como não criar os seus filhos, esta leitura é urgente.

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS