Islamocomunismo ou Comunismo Islâmico, Bolcheviques e Islã: Direitos Religiosos

0
51

Um pouco de história… falando sobre o passado e traçando-se um paralelo com o presente…
ISLAMOCOMUNISMO OU COMUNISMO ISLÂMICO, BOLCHEVIQUES e ISLÃ: DIREITOS RELIGIOSOS

(texto utilizado pela “Juventude Comunista da Inglaterra” para converter muçulmanos ao Comunismo e retirado do site Socialist Review que é a revista virtual mensal do Socialist Workers Party da Inglaterra)

“Os socialistas podem aprender com a forma como os bolcheviques se aproximaram dos muçulmanos, no Império Russo. A Revolução Russa de 1917 realizou-se em um império que foi o lar de 16 milhões de muçulmanos – cerca de 10%. O colapso do Czarismo radicalizou os muçulmanos, que exigiam a liberdade religiosa e os direitos nacionais que lhes foi negado pelos Czares.
Em 1 de Maio de 1917, o “Primeiro Congresso de Muçulmanos da Rússia” teve lugar em Moscou. Após debates acalorados no Congresso votou-se a favor dos direitos das mulheres, tornando as mulheres muçulmanas da Rússia as primeiras do mundo a serem livres das restrições típicas das sociedades islâmicas desse período. Ao mesmo tempo, os líderes muçulmanos conservadores eram hostis à mudança revolucionária. Então como é que os marxistas russos, os bolcheviques, responderam a esse cenário?

Ateísmo: O marxismo é uma visão de mundo materialista e por isso é completamente ateu. Mas porque entende que a religião islâmica tem raízes na opressão e alienação, partidos políticos marxistas não exigem que seus membros ou apoiantes sejam ateus também. Então, o ateísmo nunca foi incluído no programa dos bolcheviques. Na verdade, eles congratularam-se com os muçulmanos de esquerda nos partidos comunistas (CPS). O líder bolchevique Leon Trotsky observou, em 1923, que em algumas ex-colônias, assim como 15 % dos membros do partido comunista (PC) eram crentes no Islã. E devido a isso chamou-os de “Recrutas Revolucionárias vêm bater à nossa porta”. Em partes da Ásia Central, a associação muçulmana ao Partido Comunista eue chegava a 70%.
Os bolcheviques tiveram uma abordagem muito diferente para o cristianismo ortodoxo, pois a consideravam a religião dos colonos russos brutais e missionários. A política do partido comunista (PC), na Ásia Central, aprovada por Moscou, declarou que «a liberdade de preconceito religioso” era um requisito apenas para os russos. Então, em 1922, mais de 1.500 russos foram expulsos do Turquestão por causa de suas convicções religiosas (cristãs), mas nem um único muçulmano foi incomodado no Turquestão.

Esta parte era da política bolchevique para tentar fazer as pazes pelos crimes de Czarismo nas ex-colônias. Líderes bolcheviques, como Lênin e Trotsky entenderam que esta não era apenas a justiça básica, mas também era necessário para limpar o chão e permitir que as divisões de classe na sociedade muçulmana a viessem à tona.
Depois da revolução de colonos russos, em 1917, na Ásia Central, os bolcheviques usurparam o slogan de “trabalhadores” poder “e transformou-o contra a população local, principalmente a camponesa. Durante dois anos, a região foi cortada de Moscou pela guerra civil, e os bolcheviques passaram a perseguir os povos nativos, levando ao “ Movimento Basmachi”, que consistiu em uma revolta islâmica armada.

Lenin, em 1920, ordenou enviar para campos de concentração, na Rússia, todos os antigos membros da polícia, forças armadas, forças de segurança, administração etc, que eram produtos da Era Czarista e que enxameavam o poder soviético [na Ásia Central] porque viram nele o perpetuação da dominação russa.
Monumentos Islâmicos Sagrados, livros e objetos saqueados pelos czares foram devolvidos às mesquitas. Sexta-feira – o dia de celebração muçulmana – foi declarado o dia de descanso legal em toda a Ásia Central. Um sistema judicial paralelo foi criado em 1921, com tribunais islâmicos que administravam a justiça em conformidade com as Leis da Sharia. O objectivo era que as pessoas teriam uma escolha entre a justiça religiosa e a revolucionária. Com isso, a “ Comissão Especial da Sharia” foi estabelecida no Comissariado Soviético de Justiça. Porém, algumas frases da Sharia violaram a Lei Soviética Revolucionária, tais como o apedrejamento ou o corte das mãos, foram proibidos e estipulou-se que as decisões dos tribunais da sharia, deveriam ser confirmadas por órgãos superiores de justiça civil. Alguns tribunais da sharia desrespeitando a lei soviética, recusaram a adjudicação de divórcios sobre a petição de uma mulher, ou igualando o testemunho de duas mulheres ao de um homem. Então, em dezembro de 1922, um decreto introduziu novos julgamentos em tribunais soviéticos, com esse arranjo, cerca de 30% a 50% de todos os casos judiciais foram resolvidas por tribunais da sharia, e na Chechênia o valor era de 80%.

Um sistema de educação paralela também foi estabelecida. Em 1922, certos direitos de propriedades islâmicas foram restauradas à administração muçulmana, com a condição de que elas fossem usadas para a educação. Como resultado, o sistema de madrassas – escolas religiosas – explodiu na URSS em 1925, que contava com 1.500 madrassas com 45.000 estudantes no estado do Cáucaso no Daguestão, em oposição a apenas 183 escolas estaduais laicas.

O Comissariado muçulmano em Moscou supervisionou a política da Rússia em relação ao Islã. Muçulmanos com poucas credenciais comunistas foram concedidos posições de liderança no comissariado. O efeito foi dividir o movimento islâmico. Os historiadores concordam que a maioria dos líderes muçulmanos apoiaram os sovietes, convencidos de que o poder soviético significava a liberdade religiosa. Houve uma discussão exaustiva no meio muçulmano sobre a similaridade dos valores islâmicos aos princípios socialistas. Slogans populares da época incluíram:

“Longa vida ao poder soviético, viva a Sharia!’; ou “Religião, liberdade e independência nacional!” ou “ Os defensores do socialismo islâmico apelam aos muçulmanos para formar sovietes.”
Alianças: Os bolcheviques fizeram alianças com o pan-islamismo do grupo Cazaque, Ush-Zhuz, em 1920, eles eram os guerrilheiros persas do Jengelis e do Vaisites, uma irmandade Sufi.
No Daguestão, o poder soviético foi estabelecido em grande parte graças aos partidários do líder muçulmano Ali-Hadji Akushinskii.

Na Chechênia, os bolcheviques conquistaram Ali Mataev, o chefe de uma poderosa ordem sufi, que liderou o Comitê Revolucionário chechena.
O “Exército Vermelho dos Esquadrões da Sharia” do mulá Katkakhanov contava com dezenas de milhares de militantes.

No “Congresso Baku dos Povos do Oriente”, em 1920, os líderes bolcheviques russos fizeram um apelo para uma “guerra santa” contra o imperialismo ocidental. Dois anos mais tarde, o “IV Congresso da Internacional Comunista” aprovou alianças com Pan-islamismo e contra o Imperialismo.

Moscou deliberadamente empregou tropas não-russas para lutar na Ásia Central – em locais como Tatar, Bashkir, Cazaquistão, Uzbequistão e Turquemenistão, foram lançados contra os invasores anti-bolcheviques. O número de soldados Tatar do Exército Vermelho ultrapassou os 50% por cento dos soldados nas frentes do Oriente e do Turquestão, na guerra civil. O Exército Vermelho foi apenas uma forma de garantir que os próprios nativos controlassem as novas repúblicas autônomas nas ex-colônias. E isso significou a expulsão de colonos russos e cossacos, que tiveram que voltar para a Rússia. Em alguns lugares do Cáucaso e da Ásia Central, os colonos russos e os Cossacos foram despejadas à força. O idioma russo deixou de ser o dominante e línguas nativas retornaram às escolas, aos órgãos governamentais e às publicações oficiais da imprensa corrente.

Um programa massivo de que hoje seria chamado de “ação afirmativa” foi introduzido. Os povos nativos foram promovidos a posições de liderança nos partidos comunistas, e dada preferência para emprego em detrimento dos russos. Universidades foram estabelecidos para treinar uma nova geração de líderes nacionais não-russos e pan-islâmicos.

No entanto, os esforços para garantir a liberdade e os direitos religiosos nacionais eram constantemente prejudicados pelo fraco desempenho da economia nas repúblicas comunistas islâmicas. O isolamento da “Revolução Russa” gerou a pobreza extrema que arrastou o regime comunista para o descrédito nestas repúblicas russas islâmicas. Em 1922, o subsídio de Moscou para a Ásia Central teve que ser cortado e muitas escolas estaduais tiveram que fechar. Os professores abandonaram seus empregos por causa da falta de pagamento de salários. Isso significava que as escolas muçulmanas (Madrassas) eram a única alternativa na região. “Quando você não pode fornecer pão, você não ousa tirar o substituto”, disse o comissário de educação.

Tribunais da Sharia tiveram todo o seu financiamento removido pelo Regime Comunista da URSS, no final de 1923 a 1924. Mas mesmo antes do fim do financiamento, os fatores econômicos já impediam os muçulmanos de levar suas queixas ao tribunal. Por exemplo, se uma jovem mulher se recusasse a entrar em um casamento arranjado ou polígamo, por exemplo, ela tinha uma pequena chance de ser capaz de se manter, de se alimentar, se sustentar, porque não havia empregos e nem nenhum outro lugar para viver. Além de tudo isso, a burocracia stalinista estava ganhando domínio sobre a revolução. Cada vez mais ele atacava os chamados “desvios nacionalistas”(=islamização) nas repúblicas não-russas e incentivava o renascimento do nacionalismo russo. A partir de meados de 1920 os stalinistas começaram a planejar um ataque total contra o Islã sob a bandeira dos direitos das mulheres. O slogan da campanha era khudzhum – o que significa assalto ou agressão. O khudzhum entrou na sua fase de ação em massa em 8 de março de 1927 – Dia Internacional da Mulher. Nas reuniões do Partido Comunista, milhares de mulheres muçulmanas nativas foram convidadas a se tornar independentes e com isso, apequenos grupos de mulheres nativas chegaram ao palanque e jogaram os seus Hijabs nas fogueiras, como em um ato de protesto contra a opressão da mulher pelo Islã. Isso estava contra o que Lenin pregava. A instrução de Lênin era de que fossem absolutamente contra a ofender a convicção religiosa dos muçulmanos e que as mulheres bolcheviques deveriam realizar o trabalho de mulheres bolcheviques ativistas usando hijabs no exercício político nas mesquitas (Marxismo Cultural).

Inevitavelmente, houve uma reação contra o khudzhum (queima dos Hijab na fogueira como protesto). Milhares de crianças muçulmanas, especialmente meninas, foram retiradas das escolas soviéticas e demitiram-se da “União de Jovens Comunistas”. Mulheres sem Hijab foram atacadas na rua, através de estupros ferozes e milhares de mortes.

O ataque contra o Islã marcou o início de uma ruptura com as políticas socialistas. Como a União Soviética lançou um programa de industrialização forçada, os líderes nacionais e religiosos muçulmanos foram eliminados fisicamente e o Islça foi levado para o submundo. O sonho da liberdade religiosa foi enterrado no “Grande Terror” de 1930.

Nós da “Socialist Review” temos por tradição, rejeitar totalmente a abordagem stalinista ao Islã e preferimos a tática utilizada pelos Bocheviques, pois estes foram bem sucedidos na estratégia em ganhar os muçulmanos a lutar pelo socialismo. Nós podemos aprender e nos inspirar nas realizações dos Bolcheviques e de Lenin.”

 

 

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS