A tomada de Monte Castelo

0
14

A tomada da cidade de Monte Castelo – na Itália – por soldados da Força Expedicionária Brasileira. A batalha perdurou por 3 meses, culminando com o êxito aliado em 21 de fevereiro de 1945. A batalha de Monte Castelo fez parte da operação aliada de rompimento da Linha Gótica, sob responsabilidade do Corpo IV do V Exército norte-americano.

A batalha se iniciou em novembro de 1944, com total vantagem das tropas alemãs. O posicionamento estratégico das peças de artilharia nazi-fascistas dificultava qualquer avanço aliado na região, tornando a batalha muito mais extensa e submetendo os praças brasileiros à um frio e neve muito maiores que o esperado. Tentando seguir o cronograma e atingir Bolonha antes do Natal, uma primeira investida foi tomada em 24 de novembro. O Esquadrão de Reconhecimento e o 3º Batalhão do 6º RI se uniram à Task Force 45 e iniciaram o ataque. Tropas aliadas conquistaram o Monte Belvedere e chegaram ao cume do Monte Castelo, mas seu contingente foi mais baixo que o necessário para resistir à contra-ofensiva nazi-fascista e o Monte Castelo foi perdido.

Um novo ataque foi planejado, mas o monte Belvedere foi perdido no dia anterior ao programado para o ataque, deixando o flanco esquerdo das tropas aliadas desprotegido. Apesar deste contraponto, a segunda leva de ataque prosseguiu, composta basicamente por praças brasileiros e escoltada por tanques norte-americanos. Todavia, o clima desfavorável gerou um lamaçal, impedido a atuação dos tanques, e o céu encoberto impediu o apoio aéreo. Mesmo sem apoio e com um contingente desfavorável, o agrupamento brasileiro – sobre o comando do general Zenóbio da Costa – conseguiu um bom avanço. Este avanço, todavia, não foi mantido, devido à um violento contra-ataque alemão – que levou os brasileiros de volta à estaca zero.

Uma nova operação foi efetivada em 12 de dezembro, sob as mesmas condições climáticas da anterior. O 2º e o 3º batalhões do 1º RI conseguiram fazer milagres, e algumas posições foram tomadas, não sem baixas aliadas. A pesada artilharia alemã provou que, diferentemente da intenção do V Exército alemão, o Monte Castelo não seria tomado sem a utilização de todo o contingente disponível.

Após uma pausa no clímax do inverno, os confrontos se reiniciaram em 19 de fevereiro de 1945. As tropas brasileiras tiveram o apoio da 10ª divisão de montanha norte-americana, que cobriram o flanco esquerdo e tinham por missão tomar o monte Belvedere. Após dias de confronto, as tropas brasileiras, com o auxílio da Artilharia Divisionária, tomaram o Monte Castelo. Contrariando a previsão do comando do IV Corpo, os brasileiros tomaram o Monte Castelo antes da tomada do monte Belvedere pelas tropas norte-americanas, que só conseguiram cumprir sua missão com o apoio de alguns praças brasileiros que já haviam cumprido seu dever no Monte Castelo.

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS