Halloween – Stingy Jack

0
16

No tempo do Halloween, logo pensamos em crianças vestidas de bruxas, em guloseimas e em festas com decorações não muito convencionais nos Estados Unidos da América. Mas a festividade não se resume a isto apenas. A tradição tem toda uma história, com suas lendas e mitos. Falaremos agora sobre o Avarento Jack, o bêbado que enganou o diabo.

Fala a versão mais contada da lenda que Jack era um homem sempre bêbado, mas famoso por ser manipulador, invejoso e por maquinar planos que, geralmente, arruinavam seus adversários. O diabo, então, ouvindo as reclamações dos moradores da região, resolve ir de encontro ao sujeito para ver se era digno tomar-lhe a alma.

Jack, vagando sem rumo pela noite, encontra à sua frente um homem, com um rosto tomado por feições horrendas. Ele logo viu que era o seu fim, a hora final chegara. Então, como último pedido antes de ter sua vida ceifada, pede por uma última bebedeira. O diabo não vê maldade no inocente pedido e leva o beberrão a um bar da localidade. Bebem, conversam, e no fim da noite, sem nenhum tostão no bolso, Jack pede ao companheiro de copo que transforme-se em uma moeda de prata para que ele pague as bebidas, e depois aceitaria ir para onde quer que fosse com o inesperado visitante.

Assim sendo, o diabo vira uma moeda e, mal a transformação acaba, Jack prega a moeda num crucifixo, prendendo o ser que lhe viera tomar a vida. Para sair daquela forma, Satã faz um pacto com Jack: o vil homem libertaria-lhe caso este se comprometesse em voltar para buscar a devida alma apenas 10 anos depois deste episódio.

Dez anos se passaram e lá estavam de novo frente a frente, Satanás e Jack. Desta vez, o “último pedido” é diferente: Jack quer uma maçã, como um último alimento para a viagem. O diabo, pensando que agora não cairia nos truques do outro, escala uma macieira alta ali mesmo e pega uma maçã para o outro. Enquanto fazia isto, Jack montou um círculo de crucifixos em torno da árvore e confinou o inimigo. Caindo novamente na arapuca do humano, o diabo exige sua liberdade, que só é concedida quando este aceita a condição de jamais tomar a alma de Jack. Assim acordados, o diabo é libertado e cumpre com seu pacto, nunca mais atormentando o camponês alcoólatra.

O tempo passa e a vida adulterada e ébria de Jack lhe leva a uma morte súbita. Sua alma, então, é encaminhada ao Céu para ser julgada. Mas ninguém lhe quer lá, afinal, ele fez um pacto com o demônio! Assim sendo, ele é enviado ao Inferno. O Diabo mantém sua promessa e não aceita Jack por suas terras, embora se compadeça do homem. Assim sendo, com pena do miserável enganador, dá-lhe um nabo recheado de carvão, para servir-lhe de lanterna e guia enquanto vagava entre os vivos, os de coração bom e os de coração ruim, buscando um recanto para descansar eternamente…

A partir desta lenda, nasceu o costume de se decorar as casas durante o Halloween com abóboras, nabos e outros cortados com feições humanas e com luz interna, para lembrar a memória de Jack, o Mesquinho (ou Avarento, ou Mão de Vaca) e manter afastado o espírito deste durante as festividades.

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS