Mercado de ações americano valoriza US$ 5,2 trilhões desde eleição de Trump

0
3

Entusiasmo pós-eleitoral do mercado sobre as políticas de Trump continua.

Indicadores econômicos positivos, aliados às políticas pró-crescimento do presidente Donald Trump, alimentaram o ânimo das empresas e a confiança dos investidores após as eleições presidenciais.

A Dow Jones Industrial Average subiu mais de 25% desde novembro, atingindo a marca de 23.000 pela primeira vez em 17 de outubro. É o quarto marco do índice neste ano.

Outros índices, incluindo o S&P 500 e o Nasdaq Composite, também apresentaram sua maior alta de todos os tempos em setembro e outubro.

“Os Estados Unidos ganharam mais de US$ 5,2 trilhões em Valor de Mercado de Ações desde o dia da eleição! Além disso, registre-se o entusiasmo comercial”, escreveu Trump em um tuíte no dia 16 de outubro.

Os ganhos corporativos, um grande catalisador para o mercado de ações, tiveram um forte retorno neste ano. As empresas do S&P 500 registraram crescimento de mais de 10% no primeiro e segundo trimestres. Foi a primeira vez que o índice registrou dois trimestres consecutivos de crescimento de dois dígitos desde 2011, de acordo com a FactSet, uma empresa de coleta de dados.

À medida que a temporada de lucros do terceiro trimestre começa, as empresas dos EUA começaram a reportar resultados sólidos, superando as estimativas.

Pels manhã de 18 de outubro, apenas 52 empresas anunciaram seus resultados, com 81% superando as previsões de lucro, de acordo com a FactSet.

“A porcentagem de empresas que superam suas estimativas de lucros e de receita estão acima da média de cinco anos”, disse John Butters, analista sênior de lucros da FactSet.

No entanto, espera-se que o setor de seguros dos Estados Unidos impacte o crescimento geral dos ganhos do terceiro trimestre, devido aos efeitos dos furacões.

Se as empresas continuarem a superar as estimativas dos analistas, um crescimento de 6% nos lucros pode ser alcançado no terceiro trimestre apesar do impacto climático, disse Butters.

Os analistas de Wall Street esperam crescimento de dois dígitos no último trimestre deste ano, bem como nos dois primeiros trimestres de 2018, de acordo com a FactSet.

Aumento da confiança

As políticas de Trump, incluindo desregulamentação, cortes de impostos e investimentos em infraestrutura, aumentaram o otimismo comercial e, portanto, incentivaram as empresas a investir e contratar mais.

A economia dos Estados Unidos cresceu mais de 3% no segundo trimestre, impulsionada pelos investimentos das empresas e pelos gastos dos consumidores.

“Nosso país e nossa economia não podem decolar como deveriam, a menos que transformemos o código tributário complexo e extremamente oneroso da América”, disse Trump na reunião anual do clube do presidente da Heritage Foundation em 17 de outubro.

O plano de reforma tributária da administração Trump propõe reduzir a taxa de imposto corporativa em 40%. Os cortes de impostos podem aumentar os ganhos das empresas em mais de 10%, de acordo com um relatório da Goldman Sachs.

“Embora muitos detalhes não estejam claros, o plano da Casa Branca como proposto poderia aumentar S&P 500 em 2018 ajustando os ganhos em 12%”, previu o relatório.

“Além do benefício de ganhos diretos, a combinação de reforma tributária corporativa e pessoal poderia estimular um crescimento econômico mais rápido.”

A economia dos Estados Unidos adicionou em média 172 mil empregos por mês entre novembro e agosto, de acordo com o Bureau of Labor Statistics. Em setembro, no entanto, o emprego caiu 33 mil por causa dos efeitos de furacões no setor de lazer e hospitalidade. Foi o primeiro declínio mensal em sete anos.

Apesar do número negativos de empregos, a taxa de desemprego caiu para 4,2%, o menor patamar em 16 anos.

De acordo com uma pesquisa da mesa redonda de negócios realizada entre CEOs, 87% dos CEOs identificaram o atual código de impostos dos Estados Unidos como a principal desvantagem para a economia americana. Em uma pesquisa anterior, 76% dos líderes empresariais disseram que contratariam mais pessoas se a reforma fiscal fosse implementada com sucesso.

O otimismo do consumidor também voltou a bater recordes, superando estimativas, de acordo com a pesquisa mensal da Universidade de Michigan. O índice de otimismo do consumidor saltou para 101,1, o nível mais alto desde o início de 2004.

“Os dados indicam uma perspectiva sólida para os gastos do consumidor que estende a expansão atual para pelo menos até o meio de 2018, o que marcaria a segunda maior expansão desde meados dos anos 1800”, escreveu Richard Curtin, economista-chefe da pesquisa, em uma nota.

“Enquanto o crescimento precoce de outubro indica um maior otimismo sobre o curso futuro da economia, ele também reflete uma percepção inconfundível entre os consumidores de que as perspectivas econômicas agora são tão boas quanto se poderia esperar.”

Fonte – Epoch Times

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS