Mídia destaca 5 melhores armas dos EUA devido às quais ‘ninguém quer combater’ com país

0
19

Os EUA possuem um “poder de fogo de escala surpreendente”, que pode ser utilizado tanto em pequenas operações de combate, como em batalhas de grande escala, informa o The National Interest citado pelo RT.

A edição apresenta as 5 melhores armas do Exército norte-americano que e explica “por que ninguém quer combater com ele”.  

Não há falta de armas letais no Exército norte-americano. Várias armas podem ser demasiado dispendiosas, outras – muito complicadas e terceiras não muito eficazes. Mas os EUA “possuem um poder de fogo de escala surpreendente” que pode ser utilizado tanto em pequenas operações contra rebeldes, como em  batalhas de grande escala, escreve o The National Interest, citado pelo RT.

Helicóptero AH-64 Apache 

É um pouco irónico que uma aeronave esteja na lista das armas mais potentes do Exército norte-americano. Mas os conflitos de que os EUA participaram nos últimos anos mostraram que a ajuda aérea é um fator decisivo.

Dotado de uma arma de 30 mm, de mísseis Hellfire e sensores de alta precisão, o Apache permite que o exército ataque os adversários antes de estes entrarem no alcance operacional das tropas terrestres. 

“Os helicópteros de assalto não podem substituir a infantaria e nunca o farão. Mas o apoio que um helicóptero de assalto pode prestar vai sempre ser importante para as tropas terrestres”, informa o The National Interest. 

Tanque M-1 Abrams

Quando se pergunta se o Abrams é o melhor tanque do mundo, a resposta depende do país do respondente. Mas, de acordo com a edição, não há dúvidas de que ele é um dos melhores blindados. 

M1 Abrams tanque da batalha principal
© REUTERS/ KACPER PEMPEL
M1 Abrams tanque da batalha principal
 

O Abrams de 60 toneladas possui um canhão de 120 mm, blindagem de urânio e pode acelerar a uma velocidade de 40 km/h. Em 1991 ele liquidava o material bélico soviético no Iraque e possivelmente podia conter o tanque de combate Type 99. 

Obuseiro autopropulsado Paladin

Durante as últimas guerras localizadas de que os EUA participaram, os seus obuseiros autopropulsados não tiveram grande destaque. Mas isso não impede que este obuseiro seja considerado uma arma muito eficaz. 

Sistema norte-americano de artilharia autopropulsada Paladin M109A6
© FLICKR.COM/ MICHIGAN NATIONAL GUARD
Sistema norte-americano de artilharia autopropulsada Paladin M109A6
 

O Paladin é uma última versão do obuseiro M-109. Ele pode lançar projéteis de 155 mm guiados por satélite em uma distância de até 32 km.

Sistema antitanque TOW

Ao que parece, a Rússia (ou a União Soviética) é o rei dos mísseis antitanque. Isso está possivelmente ligado com a ameaça que os blindados ocidentais podem representar.

O sistema antitanque norte-americano TOW é uma arma potente ainda hoje, passados 45 anos da sua criação. Com esta arma foram liquidados os tanques, principalmente de produção soviética, no Oriente Médio e Vietnã. 

O sistema mais moderno Tow 2B surge em várias versões. Entre elas está a modificação Aero, que explode debaixo do tanque, destruindo a sua blindagem principal. 

Browning M2

O The National Interest reconhece que é um pouco estranho incluir esta arma de 80 anos na lista.

Mas o fato de esta metralhadora de grande calibre ser utilizada após quase um século de guerras mostra a sua eficiência única. 

A M2, desenvolvida nos anos da presidência de Roosevelt, foi utilizada como uma arma antiaérea, bem como utilizada contra blindados e tropas de infantaria. A edição aponta que a M2 pode ser comparada com “um canhão pequeno” em termos do poder de fogo. 

Fonte – Sputnik

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS