Trump lança plano para consertar infraestrutura que ‘desmorona’

0
7

O presidente norte-americano Donald Trump lançou seus objetivos legislativos para modernizar a infraestrutura dos Estados Unidos. O plano visa consertar dois problemas principais que afligem o país, o subinvestimento e os atrasos na concessão de autorizações.

Uma grande parte do problema, de acordo com a gestão Trump, é que as regras e regulamentos do governo federal impedem os investimentos em infraestrutura.

“Washington não será mais um obstáculo para o progresso. Washington agora será seu parceiro”, disse Trump durante uma reunião com autoridades estaduais e locais na Casa Branca em 12 de fevereiro.

O governo federal investirá US$ 200 bilhões nos próximos dez anos, na esperança de estimular pelo menos US$ 1,5 trilhão em investimentos em infraestrutura dos governos estaduais e locais e de fundos privados.

Um quarto do fundo federal será dedicado à América rural, que foi deixada de fora por muito tempo, de acordo com Trump.

O plano propõe reduzir US$ 200 bilhões de outros programas federais para financiar projetos de infraestrutura.

“Até alguns meses atrás, gastamos US$ 7 trilhões no Oriente Médio, US$ 7 trilhões. Que erro”, disse Trump.

“E estamos tentando construir estradas e pontes, e consertar pontes que estão caindo. E temos dificuldade em conseguir o dinheiro. Isso é loucura.”

O presidente norte-americano Donald Trump (centro) é acompanhado da governadora do Novo México, Susana Martinez (esq.), e o prefeito de Vicksburg, no Mississippi, George Flaggs Jr., durante uma mesa redonda com autoridades estaduais e locais para revelar o longamente esperado plano de infraestrutura da gestão Trump, no Salão de Jantar da Casa Branca em Washington, D.C., em 12 de fevereiro de 2018 (Chip Somodevilla/Getty Images)
O presidente norte-americano Donald Trump (centro) é acompanhado da governadora do Novo México, Susana Martinez (esq.), e o prefeito de Vicksburg, no Mississippi, George Flaggs Jr., durante uma mesa redonda com autoridades estaduais e locais para revelar o longamente esperado plano de infraestrutura da gestão Trump, no Salão de Jantar da Casa Branca em Washington, D.C., em 12 de fevereiro de 2018 (Chip Somodevilla/Getty Images)

Um dos principais objetivos do plano é agilizar e encurtar o processo de licenciamento, preservando as proteções ambientais que a lei atual possui. O plano visa reduzir o processo de aprovação de licença de 10 anos para 2 anos.

“Em um estado, levou 17 anos para uma estrada básica obter uma autorização”, disse Trump.

Em 15 de agosto, ele assinou uma ordem executiva para acelerar o processo de revisão ambiental e aprovação.

Para reduzir o processo para dois anos, a administração propõe avançar em direção a um processo chamado “Uma Agência, Uma Decisão”, em que uma agência federal principal que possui os melhores conhecimentos tomará a decisão e as outras agências executarão essa decisão.

Este processo evitará conflitos e atrasos decorrentes de várias agências tentando tomar a mesma decisão. De acordo com altos funcionários da Casa Branca, esse processo levaria 21 meses, e a autorização ocorreria nos três meses seguintes. Além disso, o governo federal visa delegar mais responsabilidade aos estados para darem autorizações. No entanto, a simplificação das licenças também requer mudanças legais. Ainda há alguns componentes do código que precisam ser ajustados, disseram os funcionários.

A administração planeja manter os programas de financiamento atuais em sua maior parte. E Trump disse que está aberto a novas fontes de financiamento, incluindo parcerias público-privadas.

“Nós teremos um monte de [parcerias] público-privadas. Dessa forma, isso ocorrerá no prazo, e dentro do orçamento”, disse ele.

O plano também visa à formação da força de trabalho para que os americanos possam estar preparados para aproveitar os novos empregos de infraestrutura. O plano elimina os obstáculos para as pessoas que não frequentam uma faculdade de quatro anos mas que preferem trabalhar em algum tipo de atividade técnica, expandindo a elegibilidade do programa Pell de subsídio educacional, alterando os requisitos de licenciamento e oferecendo mais flexibilidade.

Financiamento da infraestrutura

O plano de Trump propõe que o governo federal invista US$ 200 bilhões por meio de pacotes de incentivos e programas de empréstimos federais. E o resto deve ser dos governos estaduais e locais e da indústria privada.

Tradicionalmente, os estados e os governos locais têm bancado a maior parte dos custos de infraestrutura nos Estados Unidos. O governo federal financia quase 14% dos custos de infraestrutura, de acordo com a Casa Branca. E o resto é relativamente dividido entre os governos estaduais e locais e o setor privado.

O presidente norte-americano Donald Trump, acompanhado (esq.-dir.) do presidente do condado de Miami-Dade, Esteban Bobo, do prefeito de Wichita, Jeff Longwell, e do assistente presidencial Reed Cordish, na conclusão de uma reunião que revelou o longamente esperado plano de infraestrutura da gestão Trump, no Salão de Jantar da Casa Branca em Washington, D.C., em 12 de fevereiro de 2018 (Chip Somodevilla/Getty Images)
O presidente norte-americano Donald Trump, acompanhado (esq.-dir.) do presidente do condado de Miami-Dade, Esteban Bobo, do prefeito de Wichita, Jeff Longwell, e do assistente presidencial Reed Cordish, na conclusão de uma reunião que revelou o longamente esperado plano de infraestrutura da gestão Trump, no Salão de Jantar da Casa Branca em Washington, D.C., em 12 de fevereiro de 2018 (Chip Somodevilla/Getty Images)

Dos US$ 200 bilhões do dinheiro federal, US$ 100 bilhões serão gastos num programa de incentivos, de acordo com o plano de Trump. O governo federal combinará dólares que o estado e os governos locais gastam em infraestrutura. Pelo menos 80% dos custos do projeto seriam cobertos pelo fluxo de financiamento não federal.

Além disso, US$ 20 bilhões serão dedicados a projetos transformadores, como veículos autônomos, projetos inovadores que melhoram drasticamente as infraestruturas. Esses projetos podem não atrair o investimento do setor privado, pois eles têm muito mais risco e recompensa do que o habitual. Assim, o governo federal pode financiar até 80% do custo desses projetos, dependendo do estágio, de acordo com um relatório da Goldman Sachs.

Outros US$ 20 bilhões serão destinados a expandir os programas de financiamento de infraestrutura, incluindo títulos de atividades privadas e programas de crédito existentes, como a Lei de Finanças e Inovação de Infraestrutura de Transportes e a Lei de Finanças e Inovação de Infraestrutura da Água.

Além disso, a administração quer investir US$ 50 bilhões num programa de infraestrutura rural. O financiamento do programa rural será sob a forma de subsídio por bloco para governadores, sem fundos equivalentes necessários. O dinheiro pode ser gasto em projetos de infraestrutura mais amplos, incluindo banda larga e energia elétrica.

E, por fim, US$ 10 bilhões serão alocados para um novo Fundo Rotativo de Capital Federal, que financiará a infraestrutura de construção de escritórios do governo federal para reduzir o arrendamento ineficiente.

Elaine Chao, a secretária norte-americana dos transportes, durante uma conferência de imprensa na Casa Branca em 13 de fevereiro de 2018 (Samira Bouaou/The Epoch Times)
Elaine Chao, a secretária norte-americana dos transportes, durante uma conferência de imprensa na Casa Branca em 13 de fevereiro de 2018 (Samira Bouaou/The Epoch Times)

A secretária de transportes, Elaine Chao, disse que espera que os governos estaduais e locais criem soluções criativas para financiar projetos de infraestrutura.

“Todos queremos uma infraestrutura melhor”, disse Chao durante uma conferência de imprensa na Casa Branca em 13 de fevereiro. “Mas, infelizmente, não há dinheiro suficiente no mundo para pagar toda a infraestrutura, e é por isso que a infraestrutura do presidente também enfatiza o setor privado.”

“Os fundos de pensão do setor privado são uma tremenda fonte de capital para financiar infraestrutura pública”, disse ela.

Cabe aos governos estaduais e locais decidir se querem recorrer a pedágios, títulos de atividade privada ou reciclagem de ativos, acrescentou ela. A reciclagem de ativos envolve o arrendamento ou venda de infraestrutura existente para interesses privados e o uso da receita para financiar novos projetos de infraestrutura.

Em seu discurso de 2018 do Estado da União em 30 de janeiro, Trump pediu aos democratas e republicanos que trabalhem juntos numa lei de infraestrutura bipartidária para consertar a infraestrutura desatualizada do país.

No ano passado, a Sociedade Americana de Engenheiros Civis (ASCE) deu um grau de D+, ou quase falido, para a infraestrutura dos EUA. O relatório, que usou um formato de classificação escolar de A até F, examinou as 16 principais categorias de infraestrutura do país desde estradas até barragens.

A partir de 2016, quase uma entre 10 pontes do país está estruturalmente deficiente, afirmou o relatório da ASCE. O passageiro comum desperdiça 42 horas por ano no congestionamento de trânsito. E a idade média das vias navegáveis ​​interiores e das barragens tem mais de 50 anos.

Fonte – Epoch Times

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS