Delegação sul-coreana viaja para conversar com Kim Jong-Un na Coreia do Norte

0
10

Vice-ministro da Reunificação da Coreia do Sul, Chun Haesung, viajou para a Coreia do Norte como delegado especial para uma reunião com Kim Jong Un e outros líderes do regime comunista do Norte. Ele manterá conversações que buscam a desnuclearização e unificação do país.

O vice-ministro reuniu-se com Kim Jong-un durante o jantar de ontem (5), acrescentou o porta-voz do governo em uma conferência de imprensa, de acordo com a agência de notícias sul-coreana Yonhap. É a primeira vez que Kim se encontra com funcionários do governo sul-coreano. O jantar começou às 6 da tarde.

Chung Eui-yong, chefe do Gabinete de Segurança Nacional presidencial, foi quem acompanhou o vice-ministro da reunificação, o qual declarou antes de sua partida que o objetivo é aprofundar as conversas que tiveram em fevereiro.

“Planejo realizar discussões aprofundadas sobre várias maneiras de continuar as conversações entre o Sul e o Norte, mas também entre o Norte, os Estados Unidos e a comunidade internacional”, disse Chung, de acordo com Yonhap.

Suh Hoon, chefe da agência de inteligência do país (Serviço Nacional de Inteligência) também viajou para o Norte. De acordo com Yonhap, foram cinco enviados especiais e cinco membros da equipe de apoio.

A radiodifusão da Coreia do Norte informou que os sul-coreanos foram recebidos por Ri Son-gwon, chefe de uma agência norte-coreana encarregada de assuntos inter-coreanos que visitou recentemente a Coreia do Sul para a cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno.

O presidente sul-coreano Moon Jae em várias ocasiões disse que as negociações de reunificação entre as Coreias estão sendo realizadas em conjunto com os Estados Unidos como aliado e incluem o tema da desnuclearização do regime comunista.

O Acordo de Armistício vigente entre as duas Coreias (Korean Armistice Agreement), também conhecido como Paz de Panmunjom, é um tratado de não agressão assinado pela Coreia do Norte e Estados Unidos em 27 de julho de 1953. Este acordo pôs um fim às hostilidades, depois das tentativas dos líderes comunistas de ocuparem o Sul.

Em 1º de março, o presidente sul-coreano Moon Jae-In Falou com o presidente Donald Trump por telefone durante 30 minutos. Moon disse em uma declaração que era preciso “discutir questões relacionadas com a Península da Coreia, incluindo a questão de melhorar as relações entre a Coreia do Sul e a Coreia do Norte por ocasião dos Jogos Olímpicos de Inverno de PyeongChang”.

Moo Jae In conversa ao telefone com Donald Trump em 1º de março de 2018 (Casa Azul)
Moo Jae In conversa ao telefone com Donald Trump em 1º de março de 2018 (Casa Azul)

Moon concordou com Trump em mandar um enviado especial ao Norte para confirmar o que foi discutido durante a visita da delegação do Norte ao Sul em fevereiro, e em resposta à visita da irmã de Kim, Kim Yo Jong, que ocupa o cargo de primeira vice-diretora do Comitê Central do Partido Comunista da Coreia do Norte (Partido dos Trabalhadores).

Ivanka Trump, filha do presidente Donald Trump (principal consultora da Casa Branca) e o general Kim Yong Chol, da delegação norte-coreana, assistem à cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2018 em Pyeongchang, Coreia do Sul, em 25 de fevereiro de 2018 (Captura de tela)
Ivanka Trump, filha do presidente Donald Trump (principal consultora da Casa Branca) e o general Kim Yong Chol, da delegação norte-coreana, assistem à cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2018 em Pyeongchang, Coreia do Sul, em 25 de fevereiro de 2018 (Captura de tela)

O presidente Moon agradeceu ao presidente Trump por seu apoio, incluindo o envio do vice-presidente Mike Pence e da assessora presidencial Ivanka Trump, durante os dias em que a delegação do Norte esteve visitando o Sul.

Fonte – Epoch Times

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS