Parceria do Atlântico Norte está em perigo?

0
9

Políticos europeus estão furiosos sobre acordo com Irã, mas ainda precisam da proteção dos EUA.

Enquanto a ameaça soviética persistia durante a Guerra Fria, a Europa, e especialmente a Alemanha, apreciava muito os Estados Unidos. No entanto, a relação começou a se deteriorar no final da década de 1960, reforçada pela desinformação soviética e apoiada por movimentos de protesto da chamada “Geração de 1968” e da Guerra do Vietnã.

Desde então, as relações da Europa com os Estados Unidos tornaram-se cada vez mais esquizofrênicas: a Europa ainda precisa da proteção americana e, ao mesmo tempo, intensifica as relações com a Rússia e a China. Isto, porém, devido à falta de poder militar, é insuficiente para equilibrar a posição da Europa como região do Atlântico Norte e da Eurásia.

Para manter bons relacionamentos, a Europa precisa dos dois lados. No entanto, em casos de tensão entre os parceiros do Atlântico, o público europeu e os políticos, especialmente nos últimos 20 anos, assumiram um curso muito unilateral, culpando principalmente os Estados Unidos.

Questão presidencial

Isso foi especialmente notável no relacionamento com os presidentes dos EUA. Na Europa, o presidente George W. Bush era considerado um perigo, enquanto o presidente Barack Obama era bem-vindo.

Agora, Donald Trump é considerado uma grande ameaça à paz mundial. No entanto, se alguém ignora seu comportamento às vezes imprudente, pode encontrar políticas sólidas e pessoas em sua administração que consideram a proteção da Europa uma prioridade absoluta.

Há uma esquizofrenia europeia na admiração das políticas do presidente Obama e na alegação de que os presidentes Bush e Trump prejudicaram o relacionamento transatlântico. Tanto as gestões Bush quanto Trump consideravam a Europa uma questão importante, enquanto o pivô de Obama para a Ásia tinha uma orientação distintamente diferente. A Europa era claramente uma preocupação menos significativa.

De fato, um ano depois de deixar o cargo, a decisão do presidente Barack Obama de sair do Iraque e desestabilizar o regime sírio, além de se livrar do regime líbio, ajudou o Estado Islâmico e outros terroristas. A crise dos refugiados europeus é um resultado direto dessas políticas, mas o presidente Obama continua tão popular quanto antes.

Por outro lado, a decisão do presidente Trump de retirar os Estados Unidos do acordo nuclear com o Irãnovamente causou tensão no relacionamento. Alguns afirmam que a mudança é uma grande ameaça ao quadro internacional e à estabilidade. De acordo com o mantra europeu, há um culpado: Donald Trump. Na superfície, isso pode parecer correto, mas se nos aprofundarmos um pouco mais, a história parece um pouco diferente.

A política do Irã, bem como suas atividades militares e paramilitares, incluindo o apoio ao terrorismo, está desestabilizando todo o Oriente Médio. Teerã pretende se tornar a potência regional dominante e avança essa agenda com todos os meios.

O Irã apoia guerras civis e ameaça a própria existência de Israel. Além disso, ele representa um perigo existencial para a Arábia Saudita, fazendo o máximo para controlar a Síria e o Iêmen. Seu apoio à organização terrorista do Hezbollah enfraquece o Líbano, fortalece seu próprio acesso ao Mediterrâneo e possibilita ataques diretos a Israel. Tudo isso também apresenta desafios significativos para a Turquia.

Ilusão do Irã

O acordo nuclear com o Irã, alcançado entre o Irã e os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU (Estados Unidos, Rússia, Reino Unido, França e China) mais a Alemanha, não incluiu nenhum dos países vizinhos.

O acordo não continha qualquer disposição que protegesse os vizinhos do Irã no Oriente Médio de sua agitação subversiva e terrorista. O acordo era uma prioridade para o presidente Obama, e sua gestão estava com pressa de concluí-lo, mas os europeus poderiam ter apontado esse problema.

Os líderes europeus no Reino Unido, Alemanha e França estão agora chocados com a nova gestão que se retirou do acordo. O presidente francês, Emmanuel Macron, e a chanceler alemã, Angela Merkel, visitaram Washington em abril, implorando ao presidente Trump que mantivesse o acordo.

presidente Macron tentou usar a “grandeza” francesa e o charme juvenil, enquanto a chanceler Merkel tentou a atitude alemã de “Bedenken” (compunção). Ambos em vão. Isso significa que Washington fez o movimento errado e a Casa Branca está em falta? Não necessariamente.

Desde a campanha presidencial dos EUA em 2016, era bem conhecido que Trump considerava o acordo deficiente e que ele queria um substituto. Depois de eleito, Londres, Paris e Berlim tiveram tempo suficiente para tentar renegociar com os outros parceiros do acordo. Isso foi negligenciado e o movimento do presidente Trump não foi exatamente uma surpresa.

Agora, o Reino Unido, a França e a Alemanha estão, paradoxalmente, buscando o apoio da Rússia e da China para contrabalançar os Estados Unidos.

Washington pode ter sido o gatilho, mas a negligência europeia foi a causa da situação atual. E os perdedores não são apenas os países do Oriente Médio, mas também a aliança ocidental.

Príncipe Michael de Liechtenstein é o presidente-executivo da empresa fiduciária Industrie und Finanzkontor e fundador e presidente dos Serviços de Inteligência Geopolítica. Este artigo foi originalmente publicado pelo GIS Reports Online.

Fonte – Epoch Times

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS