Por que a inflação não aumentou nos Estados Unidos?

Preços dos ativos subiram, enquanto os preços ao consumidor ficaram estagnados.

Quando o Federal Reserve (o banco central dos EUA) acionou a máquina de impressão de dinheiro na sequência da crise financeira de 2008, muitos falcões monetários previram a hiperinflação nos Estados Unidos o quanto antes.

Ironicamente, a inflação diminuiu para valores mínimos nos últimos 56 anos durante o período de 2009 a 2017. Durante este período, a dívida dos EUA quase dobrou, com o dinheiro bancário M-2 aumentando 6% de dezembro de 2008 a abril de 2018. O Federal Reserve (Fed) se mostrou desesperado para criar alguma medida “saudável” de inflação de preços ao consumidor e os principais economistas disseram que não tinham uma resposta.

Mas, para criar preços ao consumidor, os preços das commodities devem ter um desempenho melhor. As commodities não estão correlacionadas a ações e títulos, embora estejam altamente correlacionadas à inflação, às taxas de juros e às altas ou crescentes taxas de crescimento do PIB. Nos últimos nove anos, todas essas estatísticas estavam em baixas históricas pelos últimos 240 anos dos Estados Unidos. Utilizando o índice de preços ao consumidor (IPC) para representar a inflação, este indicador produziu novos mínimos contínuos terminando em 2017 a uma taxa combinada de 10 anos com 1,61% ao ano.

No entanto, normalmente, a flagrante impressão de dinheiro deve gerar pelo menos alguma inflação. Tivemos uma taxa nominal de 0% para os Fundos do Fed de sete anos e três grandes programas de flexibilização quantitativa (QE), combinados com um aumento no balanço do Federal Reserve de US$ 800 bilhões para US$ 4,5 trilhões. Então, por que, pelo menos, não está se aproximando dos níveis históricos compostos de 3,10% que foram vistos entre 1913 e 2017?

Consumidor versus inflação de preços de ativos

A principal razão é: quando você realiza quantidades extraordinárias de impressão de papel-moeda via QE, ou seja, compra de dívida pública e outros ativos, como hipotecas, o caixa criado “do nada” vai apenas para os poucos investidores que possuem esses ativos em grandes quantidades.

Nenhuma inflação ao consumidor ocorre, já que esses investidores não gastam esse dinheiro, mas sim investem em ativos como ações, imóveis, outras dívidas e arte. Os preços desses ativos subiram para níveis históricos como consequência. Isso é chamado de “criação de riqueza” em vez de inflação.

Por outro lado, assistimos a um declínio nos gastos de capital que resultaram num grande declínio na produtividade. Como o aumento da produtividade é o principal fator para o aumento dos salários, a renda média está estagnada nos últimos 20 anos. E essa análise nem leva em conta o declínio de 19,8 milhões de empregos industriais que se somam a outros 11 milhões perdidos desde que o NAFTA foi promulgado. Como o dinheiro e a dívida novos foram emitidos, mas não são gastos com frequência – somente investidos – a velocidade (ou volume de negócios) do dinheiro (via M2) diminuiu para o nível mais baixo em 60 anos, ou 1,4 vezes.

Desde 2008, os consumidores sofrem com a “repressão financeira”, com taxas de juros abaixo da já baixa taxa de inflação. É por isso que as ações sobem, mas não ocorre uma inflação real significativa. Com efeito, é um método de roubo governamental das poupanças individuais; a inflação é um imposto furtivo.

Então, as pessoas acumulam mais, ganham menos e suas economias declinam. Por exemplo, o rendimento do Tesouro de 90 dias no final de março era de 1,71%, enquanto o IPC era de 2,36% ano a ano. Isso torna os empréstimos governamentais e corporativos virtualmente gratuitos, enquanto os consumidores pagam até 30% em seus cartões de crédito.

Mudança no jogo

Se o esquema de “renda básica universal” que CEOs como Mark Zuckerberg do Facebook propõem se tornar realidade, isso levaria quase que definitivamente não apenas a inflação, mas a hiperinflação. Se as famílias recebessem os estimados US$ 36 mil por ano, certamente elas gastariam, e o preço dos bens de consumo e dos serviços aumentaria vertiginosamente.

Esta bonança de bem-estar, financiada com dívida pública, não seria sustentável e constitui uma ameaça existencial à estrutura política da nossa República Constitucional. Normalmente, uma nação com uma máquina de impressão de dinheiro nunca falha pela falência, mas sim pela hiperinflação. A hiperinflação, por sua vez, historicamente levou a ditaduras autoritárias como a França napoleônica, a Alemanha nazista e a Venezuela de Chávez.

Se o presidente norte-americano Donald Trump quiser evitar esse cenário após o término do seu mandato, ele precisa reinar nos gastos sociais e continuar sua campanha de desregulamentação para gerar crescimento econômico real.

Victor Sperandeo é membro do Hall da Fama da revista Trader e autor de “Trader Vic: Methods of a Wall Street Master”.

Fonte – Epoch Times

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS