Áustria fecha mesquitas financiadas pelo “Islã político” da Turquia

Na Áustria vivem cerca de meio milhão de muçulmanos, o equivalente a 6% da população.

O chanceler austríaco Sebastian Kurz e o ministro do interior, Herbert Kickl, anunciaram o fechamento de sete mesquitas e a expulsão de seus líderes imãs do país.

Essas pessoas foram acusadas de financiamento estrangeiro ilícito por parte da Associação ATIB, ligada ao partido AKP do presidente turco Tayyip Erdogan, ato que viola as leis austríacas.

Além disso, o governo denunciou que as mesquitas eram usadas para doutrinar menores com as ideias ultranacionalistas turcas.

Quatro mesquitas foram fechadas em Viena, duas na Alta Áustria e uma em Carinzia. O fechamento relacionado a assuntos religiosos não permite apelação.

“Na Áustria não há espaço para sociedades paralelas radicalizadas”, disse Kurz, segundo informou a Agência Rai.

“Não toleraremos propagadores do ódio que falam em nome da religião”, acrescentou o vice-chanceler Christian Strache.

Cerca de 40 ímãs Atib e suas famílias correm o risco de perder sua permissão de permanência no país.

A imprensa divulgou fotografias mostrando as ideias e valores que eram ensinados em algumas mesquitas da Associação ATIB, que tem cerca de 100 mil membros na Áustria.

Em algumas delas, são vistas crianças encenando a Batalha de Galípoli, ocorrida na Turquia durante a Primeira Guerra Mundial. Segundo a Agência Euronews, em outras fotos, menores trajam uniformes militares enquanto outros, se fazendo de mortos, estão cobertos com a bandeira turca”, disse a Euronews em uma reportagem em vídeo.

“Na Áustria há liberdade religiosa”, disse Strache. “Justamente por isso, é importante que este princípio não seja utilizado para a doutrinação política”, acrescentou.

O vice-primeiro-ministro da Itália, Matteo Salvino, defendeu a decisão da Áustria. “Eu acredito na liberdade de religião, não no extremismo religioso. Aqueles que usam sua própria fé para comprometer a segurança de um país devem ser expulsos”.

O governo da Áustria também anunciou leis que proíbem o uso do véu islâmico em jardins de infância e escolas, a fim de evitar possíveis discriminações e para garantir a igualdade de oportunidades.

Na Áustria vivem cerca de meio milhão de muçulmanos, o equivalente a 6% da população. A maioria deles são de origem turca e bósnia.

Fonte – Epoch Times

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com