Nova coalizão na Itália, uma ruptura necessária?

0
4

Depois de muitos erros econômicos, pode ser o único caminho a seguir.

O resultado das últimas eleições nacionais na Itália tornou muito difícil formar um governo. Finalmente, uma mudança ostensivamente chocante ocorreu: a Lega (anteriormente conhecida como “Liga Norte”), rotulada como um movimento de direita, e o Movimento 5 Estrelas (M5S), rotulado como populista, concordaram em formar uma coalizão e escolheram Giuseppe Conte, um professor de direito, como primeiro-ministro.

Ambas as partes são eurocéticas, com uma delas pendendo mais para o lado socialista. Seu programa pede cortes de impostos, o que faz sentido, já que a economia italiana é prejudicada por uma carga tributária excessiva. As reduções de impostos, naturalmente, causariam um declínio de curto prazo nas receitas do governo, mas no longo prazo elas podem aumentar as receitas ao desencadear o crescimento econômico.

A coalizão, no entanto, também planeja gastar muito num esquema de renda mínima garantida. Isso contraria o plano indutor de crescimento. Esses gastos excessivos crônicos são a causa da precária condição financeira de muitos governos europeus, especialmente em países altamente endividados como a Itália. Existe uma preocupação nas capitais europeias de que o novo governo possa agora pedir ao Banco Central Europeu (BCE) que cancele grandes parcelas da dívida de 340 bilhões de euros da Itália. Essa possibilidade é vista como uma ameaça à estabilidade da moeda comum, o euro. Mas vamos olhar realisticamente a situação, de uma maneira profissional. A Itália nunca poderá pagar essa dívida.

É bastante interessante que o Sr. Conti, o primeiro-ministro interino, esteja sendo criticado por não ter experiência política. Políticos experientes colocaram a Itália nessas dificuldades. É difícil imaginar que um recém-chegado possa piorar as coisas.

Numa intrigante reviravolta de última hora, o presidente da Itália, Sergio Mattarella, recusou-se a aceitar um candidato para a pasta financeira, e o Sr. Conte desistiu inicialmente da sua candidatura para formar um governo. A perspectiva de uma nova eleição chocou o público, mas este logo foi confortado quando o presidente aceitou um gabinete de Conte com um ministro das finanças diferente.

Independentemente de quanto sentido ou absurdo possa ser encontrado no programa do novo governo, a Itália precisava sacudir seu processo político habitual para começar a mudar o status quo. Pode ser doloroso ou até perigoso, mas uma ruptura é sua única chance de uma melhora. A coalizão pode fornecer apenas isso.

Príncipe Michael de Liechtenstein é o presidente-executivo da empresa fiduciária Industrie und Finanzkontor e fundador e presidente dos Serviços de Inteligência Geopolítica. Este artigo foi originalmente publicado pelo GIS Reports Online.

Fonte – Epoch Times

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS