FBI investiga espionagem chinesa em todos os 50 estados americanos

0
4

A China, do ponto de vista da contra-inteligência, representa de muitas maneiras a ameaça mais ampla, desafiadora e mais significativa

Christopher Wray, diretor do FBI, revelou em 18 de julho que o FBI está investigando casos de espionagem econômica chinesa em todos os 50 estados americanos, e que a China é considerada a ameaça “mais significativa” a longo prazo para os Estados Unidos.

Wray, falando à NBC no Aspen Ideas Forum em 18 de julho, disse que a espionagem chinesa “cobre tudo, desde sementes de milho em Iowa até turbinas eólicas em Massachusetts e tudo mais.”

O Partido Comunista Chinês (PCC) está usando um conjunto de métodos de guerra não convencionais contra os Estados Unidos, destinados a alcançar os objetivos da guerra sem a necessidade de um combate de tropas contra tropas. Isso inclui métodos subversivos para infiltrar e minar as instituições dos Estados Unidos, operações de propaganda para alterar a percepção pública, programas de guerra econômica para roubar da economia dos Estados Unidos e muito mais.

Muitas dessas estratégias foram delineadas em um livro militar chinês de 1999, “Unrestricted Warfare” (Guerra Irrestrita). Muitas das táticas também derivam de métodos subversivos mais antigos usados ​​pela União Soviética e vão além deles.

A subversão é usada pelos regimes comunistas para gradualmente assumir o controle de um país, atacando e enfraquecendo as instituições que o fazem funcionar, levando sua população ao conflito, a fim de levar o país a um estado de crise que permita a intervenção externa, seja através de estrangeiros, invasão ou uma nova estrutura política.

Ela também é projetada para atingir gradualmente o objetivo de criar um estado comunista, subvertendo e destruindo crenças, morais e tradições religiosas através da infiltração de instituições, e criando movimentos de defesa de direitos, entre outros métodos.

O presidente do Comitê de Inteligência da Casa, o deputado Devin Nunes (R-Calif.), chamou a atenção para o tentáculo econômico do sistema de guerra irrestrito do PCC em uma audiência em 19 de julho.

Comentando sobre a audiência, Frank Gaffney, presidente e CEO do Center for Security Policy, disse em entrevista à Secure Freedom Minute Radio que “em meio à disputa política em Washington para estabelecer qual partido é mais hostil à Rússia de Vladimir Putin, uma ameaça alarmante tem recebido pouca atenção.”

“Felizmente, o fato de que a China comunista tem travado ‘guerra irrestrita’ contra os Estados Unidos por décadas é o foco de uma importante audiência do Congresso hoje”, disse Gaffney.

“A audiência é particularmente oportuna à luz dos esforços do presidente Trump para usar tarifas, restrições de investimento e outras medidas de combate. Esta poderá ser uma das nossas últimas chances de colocar estas medidas em prática.

O sistema de guerra irrestrito do PCC é frequentemente destacado em discussões sobre ameaças cibernéticas chinesas e roubo de propriedade intelectual, mas as estratégias vão muito além disso.

A guerra irrestrita utiliza uma longa lista de métodos, incluindo “guerra de cultura”, “guerra de contrabando”, “guerra de drogas”, “guerra ambiental”, “guerra de guerrilha” e muitos outros. Esses métodos podem ser divididos em categorias que não necessitam de envolvimento militar, algum envolvimento militar ou um envolvimento militar total.


Infográfico sobre a subversão e a guerra secreta da China nos Estados Unidos (The Epoch Times) Clique aqui para a versão de alta resolução.

 

Uma estratégia relacionada, introduzida nas táticas oficiais do Exército da Libertação do Povo do PCC, é o seu sistema de “Três Guerras”, que inclui guerra psicológica para alterar a forma como as pessoas interpretam informações, guerra de mídia para controlar quais informações estão disponíveis e guerra legal para manipular sistemas judiciais internacionais.

Embora as táticas de guerra subversivas e não convencionais usadas pelo PCC estejam surgindo, o quadro mais amplo ainda não é amplamente entendido, de acordo com Casey Fleming, CEO da BlackOps Partners Corp., uma empresa global de estratégia de inteligência e consultoria cibernética.

“A maioria dos líderes seniores e legisladores não têm consciência da extensão profunda da espionagem e da vasta infiltração que o governo chinês perpetrou em todos os setores nas últimas duas décadas”, disse Fleming.

“Faz parte da estratégia do regime chinês fingir parcerias enquanto destrói a roubada economia americana de inovação, segredos comerciais e propriedade intelectual de todos os setores: empresas, militares, governo, academia e até think tanks e escritórios de advocacia”.

De acordo com Fleming, enquanto os casos de espionagem chinesa estão sendo investigados nos Estados Unidos, os casos precisam ser entendidos no contexto mais amplo das estratégias do PCC.

“A extensa espionagem chinesa está ligada a uma estratégia mais ampla de subverter ideologicamente os Estados Unidos e eventualmente ultrapassar os Estados Unidos financeira e militarmente por meio de roubo robusto e consistente de propriedade intelectual, sob o disfarce de negação plausível”, disse ele.

Wray, falando em Aspen, também explicou brevemente este conceito, afirmando que a China está “tentando se posicionar como a única superpotência dominante” e que “eles estão tentando substituir os Estados Unidos nesse papel”.

“Eu acho que a China, do ponto de vista da contra-inteligência, representa de muitas maneiras a ameaça mais ampla, desafiadora e mais significativa.

“O volume disso, a penetração disso, o significado disso, é algo que eu acho que esse país não pode subestimar”.

Fonte – Epoch Times

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS