Lago subterrâneo encontrado em Marte aumenta a possibilidade de vida no planeta

0
7

O reservatório detectado representa o primeiro corpo estável de água líquida já encontrado em Marte

Usando um instrumento de radar em uma espaçonave em órbita, cientistas descobriram que o que eles disseram na quarta-feira parecer ser um enorme lago carregado de sal sob o gelo na planície polar sul de Marte, um corpo de água que eles chamam de possível habitat para a vida microbiana.

O reservatório que eles detectaram – possui cerca de 20 km de diâmetro e tem a forma de um triângulo arredondado  localizado a cerca de 1,5 km abaixo da superfície do gelo – representa o primeiro corpo estável de água líquida já encontrado em Marte.

Se há ou não algum outro lugar além da Terra que tenha abrigado vida, esta é uma das questões mais importantes da ciência, e as novas descobertas oferecem evidências tentadoras, embora não sejam provas. A água é considerada um ingrediente fundamental para a vida.

Os pesquisadores disseram que pode levar anos para verificar se algo está realmente vivendo neste corpo de água que se assemelha a um lago subglacial na Terra, talvez com uma missão futura de perfuração através do gelo para provar a existência da água subterrânea.

“Este é o lugar em Marte, onde você tem algo que mais se assemelha a um habitat, um lugar onde a vida poderia subsistir”, disse o cientista planetário Roberto Orosei, do Istituto Nazionale di Astrofisica, na Itália, que liderou a pesquisa publicada na revista Science.

“Este tipo de ambiente não é exatamente o seu ideal de férias ou um lugar onde os peixes nadam”, acrescentou Orosei. “Mas existem organismos terrestres que podem sobreviver e prosperar, de fato, em ambientes similares. Existem microorganismos na Terra que são capazes de sobreviver até no gelo. ”

A detecção foi feita usando dados coletados entre maio de 2012 e dezembro de 2015 por um instrumento a bordo da espaçonave Mars Express da Agência Espacial Européia que transmite pulsos de radar, que penetram na superfície marciana e em calotas polares.

“Isso nos levou muitos anos de análise de dados e lutas para encontrar um bom método para garantir que o que estávamos observando fosse inequivocamente água líquida”, disse o co-autor Enrico Flamini, cientista-chefe da Agência Espacial Italiana durante a pesquisa.

O perfil de radar do local lembrava o dos lagos subglaciais encontrados sob os lençóis de gelo da Antártida e da Groelândia.

Marte há muito tempo era mais quente e úmida, possuindo corpos significativos de água, como evidenciado por leitos secos de lago e vales fluviais em sua superfície. Houve alguns sinais de água líquida atualmente em Marte, incluindo provas controversas de atividade de água em encostas de Marte, mas não corpos de água estáveis.

Orosei disse que a água no lago de Marte estava abaixo do ponto de congelamento normal, mas permaneceu líquida graças, em grande parte, aos altos níveis de sais. Orosei estimou a temperatura da água em algo entre 14 graus Fahrenheit (menos de 10 graus Celsius) e menos de 94 graus Fahrenheit (menos de 70 graus Celsius).

Resta saber se mais reservatórios subterrâneos de água serão encontrados ou se o recém descoberto é uma espécie de peculiaridade, disse Orosei.

Se outros forem detectados e uma rede de lagos subglaciais existe como na Terra, ele disse, isso poderia indicar que a água líquida persistiu por milhões de anos ou mesmo datando de 3 a 1 bilhão de anos atrás, quando Marte era um planeta mais hospitaleiro.

A pergunta seria, Orosei acrescentou, se existe qualquer forma de vida que poderia ter evoluído há muito tempo em Marte esta encontrou uma maneira de sobreviver até agora.

“Ninguém se atreve a propor que poderia haver qualquer forma de vida mais complexa”, disse Orosei.

Reportagem de Will Dunham

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS