China financiará a conclusão da ponte para a Coréia do Norte

0
4

O financiamento pode ser uma violação das sanções da ONU

Em um sinal de aquecimento das relações e de flexibilização das sanções, a China planeja fornecer financiamento para concluir a construção de uma ponte na fronteira norte-coreana.

A construção da Ponte do Novo Rio Yalu, ligando a cidade de Dandong, província de Liaoning, no nordeste da China com o condado de Ryongchon, foi anunciada em 2012 como um sinal de que os dois regimes entrariam em uma nova era de comércio e diplomacia.

O objetivo era suplementar a Ponte de Amizade Sino-Coreana, construída durante a Segunda Guerra Mundial e que necessita de reparos.

Custando 2,2 bilhões de yuans (US $ 330 milhões) e parcialmente concluída em 2014, a Ponte do Novo Rio Yalu ficou inacabada em meio à deterioração das relações, enquanto a Coréia do Norte realizou vários testes nucleares que envergonharam Pequim. A ponte atualmente termina em um campo de terra no lado norte-coreano.

Mas fontes internas disseram à Agência Japonesa de Notícias Kyodo em 20 de julho que a liderança chinesa decidiu recentemente fornecer 600 milhões de yuans (cerca de US $ 88,3 milhões) para terminar a construção de uma estrada de dezenas de quilômetros que permitiria a entrada de veículos na ponte, ou seja, uma instalação aduaneira. O financiamento será concretizado até o final deste ano, disseram as fontes.

O financiamento pode ser uma violação das sanções da ONU, de acordo com a Kyodo News Agency. As fontes internas disseram que a China também está planejando negociar com os Estados membros do Conselho de Segurança da ONU para amenizar as sanções econômicas contra a Coréia do Norte enquanto trabalha para a desnuclearização.

A notícia surge quando a Reuters informou em 24 de julho que os preços da gasolina caíram drasticamente na Coréia do Norte, sugerindo que a China e outros países estão novamente enviando petróleo para o estado isolado, contra as sanções da ONU.

E, em 23 de julho, um alto funcionário norte-coreano visitou Pequim, “provavelmente discutindo maneiras de melhorar a cooperação econômica bilateral”, segundo o South China Morning Post, que citou uma fonte parlamentar sul-coreana.

Fonte – Epoch Times

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS