Rede de Marina Silva vai deixar de existir

Desempenho pífio da candidata nas urnas, fruto do pecado de só aparecer de quatro em quatro anos, tira de cena o seu partido

É preciso ter partidos consistentes. A feira de partidos que existem só para poder pegar fundo partidário é uma aberração”. Ao defender a cláusula de barreira em setembro, o vice de Mariana Silva (Rede), Eduardo Jorge (PV), não havia atentado para o risco que a legenda de sua companheira de chapa corria. Após a pífia campanha na eleição presidencial, a Rede de Marina vê-se às voltas com a ameaça de extinção. O partido só conseguiu eleger um deputado, a indígena Joenia Wapichana, de Roraima. Pela nova legislação, para obter os recursos do fundo, precisaria ter tido representantes em pelo menos outros oito estados. Agora, Eduardo Jorge tenta oferecer a Marina a hipótese de fusão com o PV, partido do qual Marina saiu para fundar a Rede. Na negociação, poderia entrar também o PPS. Mas as conversas nesse sentido pareceram ignorar a alteração que houve na Lei dos Partidos Políticos. No artigo 29, é vedada a fusão ou incorporação de partidos políticos que tenham obtido o registro há menos de cinco anos. É o caso da Rede. Assim, as idas e vindas de Marina, na sua sina de desaparecer por quatro anos, ressurgir das cinzas para disputar eleição, podem ter chegado ao seu último capítulo.

Fonte – ISTOÉ

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS