Uma breve história comunista sobre o “macarthismo”

Os norte-americanos continuam a acusar o velho e mau macarthismo, sem perceber que a ordem veio diretamente de Moscou

Carta aberta a Brent Bozell, Tucker Carlson, senador John Cornyn, Jerome Corsi, Joseph diGenova, Hugh Hewitt, senador Mitch McConnell, Bill O’Reilly, presidente Donald Trump, Donald Trump Jr. e todos os conservadores que ainda condenam o macarthismo:

E se reconsiderarmos as origens do “macarthismo” e as entendermos pelo que elas são: as próprias sementes da nossa destruição pelo marxismo e o desastre coletivo?

Para nos situarmos na cena, imagine que o período pós-Segunda Guerra Mundial, quando os norte-americanos ainda estavam tentando calcular a profundidade e a toxicidade do “pântano” original, que começou a se tornar público depois de quase duas décadas de infiltração comunista descontrolada durante a maior parte do tempo. O dia 30 e o dia 40. Só então o senador Joseph McCarthy, 41 anos, chega com a lista explosiva de casos de segurança federal, que ele apresentou ao Senado dos Estados Unidos em 20 de fevereiro de 1950.

Ninguém notou imediatamente, mas iniciava-se a chamada era McCarthy. Boas notícias para os anti-comunistas, mas catastróficas para os comunistas envolvidos em traição, particularmente dentro da burocracia federal.

Em 2014, M. Stanton Evans, o exaltado especialista em McCarthy, começou a tabular uma lista de suspeitos — proclamados mártires inocentes nos anos 50 — que foram investigados como comunistas e agentes soviéticos. Ele se deteve nos anos 50. Ele também verificou quem aceitou a quinta emenda — testemunhas que invocaram a quinta emenda contra a autoincriminação, em vez de responder sobre suas atividades comunistas ou espionagem soviética — e são muito mais do que 100 casos.

Os comunistas e os agentes soviéticos estavam certos em temer McCarthy.

Em 5 de abril de 1950, o Daily Worker escreveu: “Os comunistas estão cientes dos danos que o grupo McCarthy está causando”.

Em 4 de maio de 1950, Gus Hall, presidente do Partido Comunista dos Estados Unidos (1959-2000) escreveu: “Peço a todos os membros do Partido Comunista, e a todos os antifascistas, que permaneçam na linha de frente na luta para livrar nosso país do veneno fascista do macarthismo”.

Note que nem o Daily Worker nem Gus Hall são ícones comuns à direita, mas por incrível que pareça, os conservadores de hoje — incluindo o presidente Trump — continuam a prestar homenagem à sua falsa definição de “McCarthyism”.

Campanha contra McCarthy

Em 1945, Louis F. Budenz, membro do Comitê Nacional do Partido Comunista e diretor editorial do Daily Worker, rompeu com o comunismo, o Partido e o Daily Worker, e retornou à Igreja Católica. Com sua carga de conhecimento e experiência, ele se tornou uma testemunha inestimável e guia para o movimento comunista, tanto aberto quanto clandestino. Ele escreveu cinco livros essenciais sobre sua vida e seus tempos. Em seu livro de 1966 “A invasão bolchevique ao Ocidente”, Budenz investiga as origens da campanha contra o falecido McCarthy que, a propósito, tinha apenas 48 anos quando morreu em 1957.

Budenz escreveu: “A batalha contra o macarthismo”, como é sabido, foi preparada pelos comunistas e, sob sua liderança e orientação, dominou completamente o pensamento e a ação norte-americanos. A “batalha contra o macarthismo” teve origem no plenário ou sessão especial de março de 1950 do Comitê Nacional do Partido Comunista”.

Isso se deu logo depois que McCarthy e sua “lista” invadiram a cena nacional.

Budenz continua: “O nascimento da ‘batalha’ foi relatado em benefício dos camaradas na edição de maio de 1950 dos Assuntos Políticos [órgão teórico do Partido Comunista]. Quem ordenou que a ‘batalha’ começasse foi Gus Hall, então um fugitivo da justiça que escapou para o México depois de ter sido condenado por conspirar para derrubar o governo dos Estados Unidos. Na sessão de março do Comitê Nacional Comunista, Hall abriu a campanha contra o ‘macarthismo’ quando declarou que ‘os McCarthys’ deveriam ser colocados ‘na lata de lixo subversivo antiamericano ao qual pertencem’”.

“Foram as ordens desse agente de Moscou que condenou o defensor da derrubada violenta do governo dos Estados Unidos, que ajudou com o tempo a controlar o pensamento norte-americano.”

Incluindo, infelizmente, o pensamento conservador.

Em um artigo de 5 de novembro de 1954 intitulado “Contra o senador Joseph McCarthy, Moscou decreta reclamações por direitos”, Budenz explica o que aconteceu em seguida: “Durante três anos, de 1950 a 1953, li centenas de exemplares do Daily Worker que alimentaram as chamas do ataque a McCarthy”.

“Das minhas experiências com conspiração, percebi em 1950 que a histeria organizada dos Reds contra McCarthy e seu McCarthyism logo passaria facilmente para corpos formadores de opinião não-comunistas.”

“Em pouco tempo, em comparação, após a ordem de Gus Hall, o que os comunistas ordenaram que fosse dito sobre McCarthy estava sendo repetido por importantes figuras públicas, alguns dos principais jornais e comentaristas do rádio e da televisão. O mesmo método de ‘transmissão de fita’ que fez os Estados Unidos traírem a Polônia, a China e outros países, agora estava funcionando com sucesso para impedir que este país se defenda”.

Esta é uma reflexão rara, que expande a compreensão de todos esses eventos históricos.

A bandeira das “liberdades civis”

Budenz continuou dizendo: “Moscou oficialmente jogou lenha na fogueira”. Em outubro de 1952, Joseph Stalin deu uma importante diretriz aos seus agentes nos países comunistas, convocando comunistas em nações “burguesas” a agitar a bandeira burguesa das liberdades civis. “Este apelo foi correspondentemente publicado aqui em Assuntos Políticos, o corpo teórico oficial comunista, e considerado como uma união crucial”.

“A arrogância e a desonestidade desse apelo eram óbvias para todos os que o leram.”

Claro, já que não há “liberdades civis” no império soviético!

Ele continua: “O mais lamentável é que poucos norte-americanos se preocuparam em examiná-lo, e isso é verdade até para a maioria dos nossos líderes nacionais. O efeito desse pedido foi uma histeria ainda maior contra o “macarthismo” na imprensa comunista e, consequentemente, entre os amigos e fantoches dos comunistas. Todos eles seguiram a ordem de atacar McCarthy em nome das “liberdades civis”.

Em “A invasão bolchevique ao Ocidente”, Budenz também escreveu:

“Em 1º de junho de 1953, o Daily Worker escreveu em um editorial: ‘Nossa Cruzada toca profundamente’. Muitas organizações conservadoras seguiram o guia comunista, disse ele.

“No mesmo mês de junho de 1953 — Assuntos Políticos, o corpo teórico oficial do Partido Comunista, publicou um importante artigo, ‘A anatomia do macarthismo’. Nesse importante artigo com diretrizes, foi declarado que a batalha não era contra um indivíduo sozinho, mas contra todos aqueles que pretendiam declarar o Partido Comunista nos Estados Unidos uma ‘conspiração’. Tão bem sucedida foi esta campanha, que os Estados Unidos hoje não podem fazer muito contra a conspiração comunista no meio dela “.

Essa mesma diretiva — de transformar o “macarthismo” numa arma universal contra todas as defesas anticomunistas — seria repetida, como em 17 de março de 1954, a diatribe do “Erradicando o macarthismo” do Daily Worker, pelo ex-presidente do Partido William Z. Foster, autor de “Até um EUA soviético”:

“McCarthy deve ser expulso da vida pública norte-americana completamente.”

“Nas próximas eleições de novembro, as forças progressistas e operárias devem derrotar todos os macarthistas que aparecerem e escolher fortes candidatos anti-Camaristas.”

Uma coisa agora deve ter ficado muito clara. Os órgãos e agentes do comunismo sem Deus, esse credo de sangue, servidão e dor, estavam obcecados com este patriota norte-americano, McCarthy, e com a grande tradição anticomunista que ele tão rapidamente incorporou. Eles sabiam que ele era uma ameaça existencial à sua guerra contra a nossa república constitucional.

E os Estados Unidos piscaram.

E o “macarthismo”, e não a subversão comunista, foi derrotado.

É por isso que hoje, de todo o espectro político, os norte-americanos continuam a acusar o velho e mau macarthismo, sem perceber que a ordem veio diretamente de Moscou. Que grande e feliz sorriso Stalin deve estar esboçando, onde quer que esteja queimando.

Diana West é jornalista premiada e autora de dois livros: “American Treason: O Ataque Secreto ao Caráter da Nossa Nação” e “A Morte do Idoso: Como o Atraso no Desenvolvimento dos Estados Unidos Está Desmoronando a Civilização Ocidental”

Fonte – Epoch Times

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com