Governo Bolsonaro realoca nomeado para chefiar o Enem dentro do MEC

0
107

O governo Bolsonaro tornou sem efeito na noite desta quinta-feira (17), em edição extra do Diário Oficial da União, a nomeação de Murilo Resende, que assumiria a coordenação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

O motivo da suspensão da nomeação do indicado para coordenar a prova do Enem ainda não foi esclarecido por fontes oficiais do governo.

No entanto, o economista Murilo Resende não ficará fora do governo do presidente Jair Bolsonaro. Ele foi realocado nesta sexta-feira (18) para o cargo de assessor do Ministério da Educação (MEC).

A nomeação de Ferreira para o cargo de assessor da Sesu (Secretaria de Educação Superior do MEC) foi publicada em portaria assinada pelo ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, no Diário Oficial da União na manhã de hoje, informa o “UOL“.

Murilo Resende, de 36 anos, é doutor em Economia pela Fundação Getulio Vargas (FGV) e teve o nome indicado por integrantes do movimento Escola Sem Partido.

Na noite de quarta-feira (16), ​​​​​​​ele havia sido nomeado para o cargo de diretor de avaliação básica do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), posto responsável por comandar todas as avaliações de larga escala, incluindo o Enem.

A nomeação de Resende, defensor do Escola sem Partido e admirador do filósofo Olavo de Carvalho, causou alvoroço nas redações da grande mídia, conforme noticiou a RENOVA.

No dia em que foi nomeado, o presidente Jair Bolsonaro defendeu a indicação de Murilo através do seu perfil oficial no Twitter.

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS