Áustria também não receberá jihadistas do Estado Islâmico arrependidos

0
20

O governo da Áustria rejeitou a possibilidade de repatriar cidadãos que se uniram às fileiras do grupo jihadista do Estado Islâmico na Síria.

O ministro do Interior, Herbert Kickl, afirmou:

“Não vamos fazer nada para trazer pessoas que participaram ou apoiaram as atrocidades terroristas no exterior de volta à Áustria.”

E, segundo a agência EFE, acrescentou:

“Não entendo que devemos importar terroristas e simpatizantes do EI que supõem uma bomba-relógio para nossa população.”

Dias atrás, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pediu que seus aliados da Europa cuidassem dos casos de centenas de terroristas do Estado Islâmico capturados na Síria com passaporte europeu para evitar que sejam libertados.

Ainda segundo o ministro do Interior da Áustria:

“A segurança da população austríaca está em primeiro lugar. Não necessitamos de combatentes e nem de partidários do Estado Islâmico aqui.”

Estes combatentes estrangeiros do EI são prisioneiros das Forças da Síria Democrática (FSD), uma aliança armada liderada por milícias curdas que afirma ter detido mais de 1,3 mil jihadistas estrangeiros, como noticiou a RENOVA.

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS