Programa da BBC discute transplantes de órgãos na China

0
13

Vivendo na China, todos trabalham para o governo. Então, você tem que obedecer. Caso contrário, você está fora da sociedade, tratado como um inimigo do governo e sujeito a receber a brutalidade do PCC

O programa “Discovery: Transplantes de Órgãos na China”, do repórter Matthew Hill, da BBC World Service, tem sido transmitido repetidamente nas emissoras de rádio e televisão da BBC. Hill e vários apresentadores discutiram duas questões: Qual é a fonte dos órgãos transplantados na China? A extração de órgãos de praticantes vivos do Falun Gong e de outros prisioneiros de consciência parou?

BBC Impact transmite "Transplantes de órgãos na China", do repórter Matthew Hill. Philippa Thomas conversou com o Sr. Hill
BBC Impact transmite “Transplantes de órgãos na China”, do repórter Matthew Hill. Philippa Thomas conversou com o Sr. Hill
BBC Global transmite "Transplantes de órgãos na China". O moderador entrevistou Ethan Gutmann e Enver Tohti
BBC Global transmite “Transplantes de órgãos na China”. O moderador entrevistou Ethan Gutmann e Enver Tohti
BBC West Points também transmitiu a investigação do Sr. Hill. Ele contatou um hospital em Guangzhou sobre cirurgias de transplante de fígado
BBC West Points também transmitiu a investigação do Sr. Hill. Ele contatou um hospital em Guangzhou sobre cirurgias de transplante de fígado
Praticante do Falun Gong Annie Yang fala sobre a perseguição pelo Partido Comunista da China (PCC) em frente à Embaixada da China em Londres
Praticante do Falun Gong Annie Yang fala sobre a perseguição pelo Partido Comunista da China (PCC) em frente à Embaixada da China em Londres
Praticante do Falun Gong, Sr. Liu, fala sobre a perseguição praticada pelo PCC
Praticante do Falun Gong, Sr. Liu, fala sobre a perseguição praticada pelo PCC

O foco da investigação do Sr. Hill é descobrir se o PCC ainda está realizando a extração de órgãos de praticantes vivos do Falun Gong e de outros prisioneiros de consciência. Ele entrevistou os praticantes do Falun Gong, a Sra. Yang e o Sr. Liu, que estiveram encarcerados na China por causa de sua crença. Ambos os praticantes falaram sobre como sofreram por causa da perseguição do PCC. Ambos disseram que foram periodicamente forçados a passar por exames médicos.

A Sra. Yang lembrou que em 2005 ela permaneceu detida em um campo de trabalho em Pequim por 18 meses. Ela disse: “Eles checaram meu corpo a cada três meses. Eles levaram todos os praticantes do Falun Gong para o hospital. O hospital pertence ao departamento de polícia e fica muito perto do campo de trabalho. Os exames médicos incluíram radiografias de tórax, exames de fígado, ultrassonografias e exames de sangue”.

O Sr. Liu foi libertado no ano passado. Ele disse: “Eu fui submetido a exames médicos várias vezes enquanto estava preso. O meu sangue foi coletado. Todos os praticantes do Falun Gong são forçados a renunciar à sua crença. Se você não ceder, os guardas da prisão batem em seus braços, pernas e nádegas, mas não nas áreas dos órgãos vitais”.

No programa BBC Impact, Hill explicou a Philippa Thomas por que o PCC quer perseguir prisioneiros de consciência e praticantes do Falun Gong. O PCC considera qualquer um que esteja fora do controle do governo e quaisquer outras minorias como ameaças.

Quando o número de praticantes do Falun Gong chegou a 100 milhões de pessoas em 1999, o PCC os viu como uma grande ameaça. Primeiro, foram difamados pelo Partido Comunista e depois foram detidos em larga escala.

O Relator Especial das Nações Unidas Sobre Tortura registrou que os praticantes do Falun Gong, que são adeptos da paz e da fé, estavam sendo torturados em centros de detenção.

O sr. Hill se referiu ao relatório de investigação independente de David Kilgour, ex-secretário de Estado Canadense para a Ásia; David Matas, advogado canadense de direitos humanos; e Ethan Gutmann, um repórter sênior dos Estados Unidos. Eles foram entrevistados no programa da BBC: “Em Quem Acreditar?”. Eles lembraram aos telespectadores que o PCC persegue prisioneiros de consciência não por dinheiro, mas para realizar um genocídio cruel.

O sr. Matas disse que “O número de condenados à pena de morte está diminuindo na China, mas o volume de transplantes está subindo. Há volume, sem outras fontes obviamente explicadas além de prisioneiros de consciência. Há uma enorme detenção arbitrária de prisioneiros de consciência na casa de centenas de milhares na China”.

Ele continuou: “Tempo de espera curto. As pessoas vêm quando querem e obtém órgãos quase que imediatamente, o que significa que alguém foi morto por seus órgãos”.

David Kilgour disse: “Se você é considerado um inimigo do Estado, então sua vida não tem valor. Esse é o problema. Para os tibetanos, uigures e alguns cristãos, e especialmente para o Falun Gong, há muitos relatos”.

Ethan Gutmann disse: “É sobre como o governo destrói seus inimigos. O dinheiro é um incentivo para que isso aconteça”.

O sr. Hill resumiu sua pesquisa dizendo: “Não vamos parar de duvidar que o PCC ainda esteja realizando a extração de órgãos de praticantes do Falun Gong e de outros prisioneiros de consciência. Existe uma enorme diferença entre os números que os oficiais do PCC afirmam ser de doadores de órgãos e dos transplantes de órgãos realizados. (Em 2015, o PCC alegou ter parado de usar órgãos adquiridos como resultado da pena de morte. Os transplantes de órgãos atuais dependeriam principalmente de órgãos de pacientes falecidos em unidades de terapia intensiva.) Devido à falta de transparência, a fonte dos órgãos do mercado de turismo de transplantes da China permanece um mistério. Portanto, não vamos parar de duvidar de que o PCC ainda esteja conduzindo a extração de órgãos de praticantes do Falun Gong e de outros prisioneiros de consciência”.

O que é o Falun Gong e por que o PCC o persegue?

Cartazes de praticantes do Falun Gong realizando um protesto pacífico em frente à embaixada da China em Londres
Cartazes de praticantes do Falun Gong realizando um protesto pacífico em frente à embaixada da China em Londres
Praticante do Falun Gong participa de protesto pacífico em frente à Embaixada da China em Londres
Praticante do Falun Gong participa de protesto pacífico em frente à Embaixada da China em Londres
Praticante Liu e outros fazem os exercícios do Falun Gong
Praticante Liu e outros fazem os exercícios do Falun Gong

O Sr. Hill descreveu o Falun Gong como “um movimento espiritual baseado na meditação”, o qual é proibido pelo PCC.

Praticantes do Falun Gong do Reino Unido fazem protesto pacífico
Praticantes do Falun Gong do Reino Unido fazem protesto pacífico

O episódio “Em Quem Acreditar?” foi transmitido pela primeira vez em 15 de outubro e foi amplamente ouvido pelo público da rádio BBC. O Falun Gong foi apresentado à audiência no primeiro programa, “Em 1999, pessoas envolvidas na prática do Falun Gong na China se viram sob suspeita”.

“O movimento começou com uma forma tradicional chinesa de qigong e meditação e tornou-se imensamente popular em toda a sociedade chinesa. É fácil dizer que eles nunca seriam um alvo de opressão política simplesmente por ser um grande grupo operando fora do sistema estatal chinês que tudo controla. ”

“É difícil acreditar que pessoas praticando estes exercícios suaves constituam uma terrível ameaça ao Estado. Mas a quantidade de participantes do grupo preocupou o governo. O Falun Gong tinha cem milhões de adeptos. ”

“Muitos envolvidos foram capturados e colocados em campos de reeducação, presos durante alguns anos ou até que eles renunciassem às suas crenças. E com seu estilo de vida livre de álcool e drogas, os seguidores da Falun Gong alegam que são escolhas fáceis para o comércio de órgãos sancionado pelo Estado. Eles e outros grupos religiosos, incluindo cristãos e uigures, estão sendo assassinados para extrair seus órgãos.”

Médicos envolvidos na extração de órgãos expõem a lavagem cerebral e a perseguição perpetrada pelo PCC

No programa BBC Global exibido em 8 de outubro de 2018, Enver Tohti, um ex-médico de Xinjiang, descreveu como ele extraiu órgãos de um prisioneiro executado em 1995. Quando o Sr. Colina lhe perguntou como ele, como médico, pode ter feito aquilo, Tohti respondeu que na época, todos na China tinham sofrido lavagem cerebral e achavam que tudo o que faziam era para o país.

Um trecho da entrevista de Hill e Enver Tohti na BBC Global:

Hill: “Por que você fez a cirurgia?”

Enver Tohti: “Porque me disseram para remover o fígado e os dois rins.”

Hill: “Você não podia ter desobedecido às ordens?”

Enver Tohti: “Não. Vivendo na China, todos trabalham para o governo. Então, você tem que obedecer. Caso contrário, você está fora da sociedade, tratado como um inimigo do governo e sujeito a receber a brutalidade do PCC.”

Um homem que era estudante de medicina na China nos anos 90 assinalou: “Sabemos que os órgãos são dos presos executados. Isso é um segredo aberto. Todo mundo sabe. Mas também ouvimos frequentemente que os órgãos são extraídos de prisioneiros que são oficialmente executados, mas não que estavam mortos”.

Ele continuou: “Agora também há vários casos desse tipo publicados. Os médicos querem que os órgãos sejam de alta qualidade. Eles pedem à polícia para não atirar na cabeça, mas no lado direito do peito. Então o coração ainda estava batendo. Os órgãos são injetados com sangue. E os órgãos foram extraídos de um corpo vivo”.

“Como você ouviu? De quem?”, perguntou Hill.

“De professores, estudantes e alguns médicos. Todos eles sabem.”

“Você achava que era errado?”, perguntou Hill.

“Naquela época, na China, sob a circunstância da educação comunista, falávamos sobre isso entre nós, estudantes, em particular. Nós nos sentíamos desconfortáveis, mas tivemos que tolerar isso. Nós pensávamos que os criminosos morreriam de qualquer maneira. Os médicos conseguiriam órgãos de melhor qualidade.”

A indústria de transplante de órgãos da China ainda está muito ativa

Durante o programa sobre a investigação de Hill, ele se referiu a um repórter de uma emissora de televisão sul-coreana que foi a um hospital em Tianjin que fornece transplantes de órgãos para coreanos.

O repórter conversou com o pessoal do hospital. Uma enfermeira contou ao repórter que eles haviam transplantado um pâncreas, três rins e quatro fígados no dia anterior. Os pacientes coreanos haviam viajado para a China com vistos de turista de três meses.

Pode-se ouvir um paciente dizendo ao repórter: “Não estamos registrados nem na lista de espera. Contanto que você tenha dinheiro, você pode sobreviver”.

O próprio Hill ligou para um hospital em Guangzhou para perguntar sobre um transplante de fígado. Foi-lhe dito que o preço era de 100 mil dólares e que ele deveria fornecer informações sobre sua doença e depois esperar para ser contatado.

Sr. Hill questionou Huang Jiefu, ex-vice-Ministro da Saúde
Sr. Hill questionou Huang Jiefu, ex-vice-Ministro da Saúde

O Sr. Hill entrevistou Huang Jiefu, que em sua posição como ex-vice-Ministro da Saúde da China, supostamente realizou extrações de órgãos vivos. Ele perguntou diretamente para Huang: “Como é que, quando telefonei para um hospital na China, me foi rapidamente oferecido um fígado? Como isso é possível?”. Huang Jiefu não respondeu e saiu.

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS