Quão socialistas são os países escandinavos?

0
2
Os países escandinavos são belos, como mostra esta foto de Copenhague, na Dinamarca. Mas eles são menos socialistas do que as pessoas pensam (OlgaCanals/iStock)

Se tivermos que ter “socialismo”, que seja do tipo praticado em qualquer um dos países nórdicos, particularmente na Dinamarca. Lá, o capitalismo corre livre, criando uma vasta riqueza, como de costume

Bernie é meu antigo companheiro de equipe de atletismo no James Madison Institute. Corremos as mesmas distâncias, meia milha e mais; ele foi um dos melhores atletas de toda a cidade de Nova Iorque, eu era um corredor medíocre. Nós íamos caminhando para a escola e voltamos juntos às vezes, mas agora estamos andando em direções completamente opostas.

Ele está promovendo o socialismo, eu prefiro promover a liberdade.

Seu estilo de socialismo, no entanto, não é o tipo de sistema econômico praticado nos Estados falidos de Cuba, Coreia do Norte e Venezuela nos tempos modernos, nem na União Soviética, na Alemanha Oriental e na Coreia do Norte do passado. Não, não é esse tipo de socialismo. Em vez disso, Bernie (ele e eu também nos reencontramos na Universidade do Brooklyn) se refere ao tipo de sistema econômico praticado nos países escandinavos. Na verdade, as coisas não são tão ruins na Noruega, Suécia, Finlândia e Dinamarca. Talvez esse tipo de socialismo fosse aceitável para o eleitorado? Isso, pelo menos, é o que o senador Bernie espera.

De fato, essas quatro nações estão entre as mais capitalistas de todo o planeta. Em meu livro Liberdade Econômica no Mundo, 1975-1995, publicado pelo Instituto Fraser, avaliamos a liberdade econômica de 101 países. Nosso estudo foi baseado em considerações como taxas, regulações, impostos, transferências, subsídios, resgates, etc. Quanto menor o nível, maior a liberdade econômica. Também consideramos as limitações em termos de liberdade de ter contas bancárias, controles de preços e empresas públicas. Utilizamos 17 critérios diferentes, sob as quatro categorias de dinheiro e inflação, operações e regulamentações do governo, arrecadação de impostos e comércio internacional. Nossas observações foram baseadas em estatísticas obtidas de 102 países diferentes.

Nossa tese era de que as nações mais livres seriam as mais prósperas e as menos livres as mais pobres, o que foi plenamente confirmado. Aqui está uma lista dos dez países mais livres: Hong Kong, Singapura, Nova Zelândia, Estados Unidos, Suíça, Malásia, Grã-Bretanha, Tailândia, Canadá, Japão. Aqui estão as dez nações menos livres: Zaire, Argélia, Irã, Síria, Haiti, Romênia, Costa do Marfim, Burundi, Brasil, Nicarágua.

Onde estão os países escandinavos nessas listas? Bem, a Dinamarca ficou em 33º lugar, a Noruega em 41º, a Finlândia em 46º e a Suécia em 48. Nota: todos estavam na metade superior da nossa classificação.

Mas esta é apenas a ponta do iceberg. As estatísticas mencionadas abrangem apenas o período 1975-1995. O que vem acontecendo desde então? Após a publicação do livro que mencionei anteriormente, numerosos textos apareceram seguindo o mesmo tema. Pequenas mudanças foram feitas no número de critérios que definem a teoria econômica e outros países foram adicionados à lista. E como as nações escandinavas se saíram em avaliações posteriores? Melhor e melhor e melhor. Tome nota, Bernie.

Por exemplo, o relatório de 2010 incluiu nada menos que 141 países. Isto significa que qualquer nação que ocupou um lugar entre os primeiros 35 será colocada no primeiro quartil. A Finlândia conquistou o 19º lugar, a Noruega o 31º e a Suécia perdeu para entrar no melhor quartil com o 37º lugar. Socialismo estilo Bernie? Não, em absoluto. A Dinamarca mal conseguiu ficar entre os top 10, chegando no muito bom 14º lugar. Não só eles foram classificados no primeiro quartil, mas também no decil mais alto; eles têm algumas das economias mais livres do mundo. A propósito, os Estados Unidos caíram para o sexto lugar na época.

E quanto a 2015? Então, 159 países foram avaliados, o que significa que aqueles que ocuparam um lugar entre os primeiros 40 são os melhores 25% de todas as nações. A Dinamarca alcançou o 15º lugar, a Finlândia empatou com a Letónia em 17º lugar, a Noruega ficou em 25º lugar e a Suécia “socialista” cruzou a linha de chegada em 27º lugar. Para quem ainda faz cálculos, em 2015 os Estados Unidos recuaram para o 11º lugar empatados com o Canadá “socialista”.

Sim, Bernie, se tivermos que ter “socialismo”, que seja do tipo praticado em qualquer um desses países nórdicos, particularmente na Dinamarca. Lá, o capitalismo corre livre, criando uma vasta riqueza, como de costume.

Walter Block é presidente de economia na Universidade de Loyola, em Nova Orleans. Ele também é professor associado no Mises Institute e no Hoover Institute

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS