Sueca que atrasou voo para evitar deportação de refugiado é multada

0
2
(Adam Ihse/AFP/Getty Images)

Elin Ersson, de 21 anos, estava em um voo que ia de Gotemburgo para Istambul no dia 23 de julho do ano passado e se negou a se sentar para a decolagem até que o homem fosse liberado. O protesto foi transmitido ao vivo nas redes sociais

A jovem sueca que viralizou nas redes sociais depois de protestar dentro de um avião para evitar a deportação de um solicitante de refúgio afegão e atrasar o voo deverá pagar uma multa de 3 mil coroas (pouco menos de R$ 2 mil), conforme determinou um tribunal de Gotemburgo.

Elin Ersson, de 21 anos, estava em um voo que ia de Gotemburgo para Istambul no dia 23 de julho do ano passado e se negou a se sentar para a decolagem até que o homem fosse liberado. O protesto foi transmitido ao vivo nas redes sociais.

Tanto ela quanto o solicitante de asilo foram encaminhados para fora do avião, que partiu uma hora e meia depois do horário previsto. Na gravação é possível ver que alguns passageiros ficam do lado de Elin — incluindo um time de futebol —, enquanto outros se irritam com a situação.

A sentença rejeitou o argumento de que ela não tinha cometido um ato punível porque a ordem para se sentar não foi dada diretamente pelo comandante do avião, mas pela tripulação, e porque seu protesto estava dentro da lei.

“O tribunal considera provado que o comandante decidiu que os passageiros deveriam se sentar em seus lugares antes da decolagem e que a mulher entendeu o que deveria fazer. Ao não seguir as ordens, ela violou as leis de aviação”, diz a sentença.

A decisão destaca que o crime, no entanto, não é tão grave e que a multa é suficiente, diferentemente do sugerido pela Promotoria, que pedia 14 dias de detenção.

Elin reconheceu que embarcou em busca de um jovem afegão cuja solicitação de asilo tinha sido negada e que seria deportado. Ao descobrir que, na realidade, se tratava de outra pessoa, também do Afeganistão e na mesma situação, ela decidiu manter o protesto.

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS