China tem mentido sobre campos de concentração

0
75
Jovem uigure em Calgary, Canadá, chora em uma manifestação de protesto contra a repressão do Partido Comunista em Xinjiang, na China (Jerry Wu / Epoch Times)

O regime comunista chinês controla firmemente a mídia na região uigure e nunca permitiu uma investigação independente no local

De negar a existência dos campos de concentração à transferência de milhares de prisioneiros uigures para prisões em outras províncias da China, as autoridades chinesas estavam mentindo para a comunidade internacional.

A China não conseguiu esconder a existência de campos de concentração apesar de suas reiteradas tentativas, graças aos relatórios da Human Rights Watch, às preocupações expressas pelo Congresso dos Estados Unidos, ao Comitê das Nações Unidas para a Eliminação da Discriminação Racial , aos pesquisadores acadêmicos, aos depoimentos de ex-presos e aos familiares das vítimas. A China teve que admitir o que para o mundo ficou evidente: a existência de campos de concentração.

No entanto, o gigante asiático está sendo teimoso, indo contra a pressão da comunidade internacional. Ele tem feito isso pelo fato de ter contado, pelo menos, três mentiras sobre os campos de concentração.

Mentira 1

A China mente ao dizer que os campos de concentração são “centros de formação profissional” ou “centros de transformação através da educação”.

Há uma clara diferença entre a formação profissional e os campos de concentração. A enciclopédia britânica define formação profissional como “instrução destinada a preparar pessoas para ocupações industriais ou comerciais”. Também define campo de concentração como um “centro de confinamento para prisioneiros políticos e membros de grupos nacionais ou minoritários que são confinados por razões de segurança do Estado, exploração ou punição, geralmente por decreto ou ordem militar”. As pessoas são enviadas para esses campos geralmente com base em sua identificação com um determinado grupo étnico ou político, e não como indivíduos, e sem acusação ou julgamento justo”. Também enfatiza que os campos de concentração são diferentes das prisões nas quais as pessoas são presas por causa de seu comportamento criminoso. A definição indica que o propósito de estabelecer uma escola de formação profissional é significativamente diferente do propósito de criar um campo de concentração, e as pessoas a quem são dirigidas são diferentes.

As descrições oferecidas pela cobertura da mídia e pelos depoimentos fornecidos por ex-prisioneiros indicam que os campos construídos na China para encarcerar os uigures se assemelham a campos de concentração. A AFP examinou mais de 1.500 documentos do regime chinês disponíveis ao público e declarou que os campos são administrados “mais como prisões do que como escolas“.

A AFP também revelou que a prefeitura de Hotan, na região dos uigures, comprou 2.768 cassetetes de polícia, 550 bastões elétricos, 1.367 pares de algemas e 2.792 latas de spray de pimenta no início de 2018. É pouco provável que este equipamento sirva ao propósito de uma escola de formação profissional e levanta questões sobre a necessidade de ter todo esse equipamento em um lugar tão remoto como Hotan.

Em pesquisas recentes, o Instituto Australiano de Política Estratégica concluiu que na China, “a transformação através das escolas é de natureza punitiva e mais parecida com prisões do que com campos“. Os fatos mostram que os campos de concentração têm muito em comum com os campos de concentração operados pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. Portanto, chamar os campos de concentração de escolas de formação profissional ou centros de transformação através da educação é uma mentira “made in China”.

Mentira 2

A China mentiu sobre o fato de que o propósito dos campos de concentração é capacitar as pessoas.

Shohrat Zakir, governador de Xinjiang, disse que os campos de concentração estão ensinando mandarim, história e leis chinesas, e que seu objetivo é proporcionar às pessoas levar uma vida “moderna” e “civilizada”. No entanto, um documento oficial do regime chinês indica que, para formar melhores cidadãos chineses, os campos devem primeiro “quebrar sua linhagem, arrancar suas raízes, romper suas conexões e eliminar suas origens“, segundo um estudo de relatórios do governo obtidos pela AFP.

Além disso, ex-prisioneiros disseram que os campos são destinados a erradicar a identidade étnica e religiosa dos uigures e outras minorias muçulmanas a fim de assimilá-los ao grupo étnico Han dominante.

Omir Bekali, ex-prisioneiro que foi libertado devido à sua nacionalidade cazaque, descreveu que os detentos são forçados a comer carne de porco e a beber álcool, ações contrárias às suas crenças religiosas. Ele também disse que foi convidado a renunciar à sua crença religiosa, a criticar a si mesmo e sua origem étnica. Outro ex-prisioneiro, Mihrigul Tursun, disse ao Congresso dos Estados Unidos que os detentos são forçados a cantar músicas elogiando o Partido Comunista Chinês e a repetir slogans em chinês como “indulgência aos que se arrependem e castigo aos que resistem”.

Como resultado do encarceramento e repressão em massa, a maioria das empresas de propriedade de uigures foi fechada. A mão de obra da zona rural no sul da região uigure foi enviada para os campos de concentração ou foi transferida como mão de obra barata para as cidades do interior da China. As ruas das grandes cidades e subúrbios da região uigure ficaram quase vazias devido às prisões em massa e ao desaparecimento de pessoas. Portanto, a economia da região uigure caiu drasticamente desde 2016.

Mentira 3

A China não revela o número real de detentos.

O regime comunista chinês controla firmemente a mídia na região uigure e nunca permitiu uma investigação independente no local. A China não fornece qualquer informação sobre o número de detentos que estão presos nos campos de concentração. Portanto, o número exato de detidos ainda é desconhecido. No entanto, o número de detidos mencionados nas estimativas até agora é preocupante. Ativistas de direitos humanos calculam que as autoridades chinesas prenderam pelo menos um milhão de uigures, e fontes afirmam que há evidências de até três milhões de detentos. Os Defensores dos Direitos Humanos Chineses (CHRD), um grupo de defesa com sede em Hong Kong, descobriram que o número de detidos em campos de concentração poderia já ter atingido 2 ou 3 milhões de pessoas em junho de 2018. Esta estimativa foi alcançada com base em dados obtidos por meio de entrevistas e informações fornecidas pelo CHRD e sua ONG parceira Equal Rights Initiative na Prefeitura de Kashghar, entre julho de 2017 e junho de 2018.

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS