Huawei e os contra-ataques do regime chinês: 5 principais revelações

0
7
Uma mulher se senta ao lado de um vendedor em uma loja da Huawei em Bangkok, na Tailândia, em 30 de janeiro (Athit Perawongmetha / Reuters)

Enquanto a guerra comercial Estados Unidos-China parece estar esfriando, a guerra dos Estados Unidos contra a gigante de telecomunicações chinesa Huawei está apenas começando

Análise de Notícias

Enquanto a guerra comercial Estados Unidos-China parece estar esfriando, a guerra dos Estados Unidos contra a gigante de telecomunicações chinesa Huawei está apenas começando. Como a Huawei e o regime comunista chinês respondem à repressão revela os principais mecanismos internos entre o regime e a Huawei e o que está em jogo para o regime.

A CFO da Huawei, Meng Wanzhou, que foi presa após um pedido de extradição dos Estados Unidos no aeroporto de Vancouver em dezembro de 2018 e voltou aos tribunais como parte de seu processo de extradição em 6 de março.

Poucos dias antes, em 1º de março, o Departamento de Justiça do Canadá anunciou que está permitindo que processos judiciais em seu caso de extradição sigam em frente. A embaixada chinesa em Ottawa emitiu uma resposta rápida, chamando-a de “perseguição política” contra a Huawei.

Também no mesmo dia, vários jornalistas americanos revelaram que a Huawei os convidou para viagens com todas as despesas pagas à China.

Comprando Opinião Pública

O jornalista do Washington Post, Josh Rogin, postou uma carta de convite da Huawei no Twitter, convidando-o para “se juntar a um seleto grupo de jornalistas dos Estados Unidos” para visitar as instalações da empresa em Shenzhen e “reunir-se com vários executivos da Huawei, visitar suas várias linhas de produtos e discutir sobre os diversos desafios que a empresa enfrenta nos Estados Unidos”.

A carta também pediu a Rogin que não falasse sobre o convite com outras pessoas devido ao “número limitado de vagas” disponíveis para a viagem.

Embora essas viagens sejam uma ocorrência comum na indústria de notícias chinesa, aceitar ingressos gratuitos para jornalistas é uma linha importante que não deve ser ultrapassada no Ocidente, já que isso poderia afetar a objetividade do jornalista.

Declarando sua rejeição da oferta no Twitter, Rogin disse: “Qualquer jornalista americano que pegue o dinheiro da Huawei deveria ter vergonha e ficar envergonhado”.

Outros jornalistas, incluindo Jonathan Landay, da Reuters, e Ana Swanson, do The New York Times e mais alguns também receberam o mesmo convite, mas disseram que suas cartas foram enviadas pela embaixada chinesa.

Lançando uma guerra legal

Além de lançar uma guerra de mídia, a Huawei também lançou uma guerra legal.

Meng Wanzhou
A chefe financeira da Huawei, Meng Wanzhou, chega ao B.C. Suprema Corte em Vancouver, Canadá, 6 de março de 2019 (Reuters / Ben Nelms)

Em 3 de março, Meng entrou com uma ação civil para processar o governo do Canadá, a agência de fronteira e a RCMP, dizendo que ela foi detida, revistada e interrogada antes de ser informada de que estava presa.

Em 7 de março, a Huawei lançou uma ação judicial contra o governo dos Estados Unidos por proibir agências federais de usar os produtos da empresa.

Guerra psicológica

Dias depois que o Canadá deu luz verde para que as audiências de extradição de Meng prosseguissem, a China acusou os cidadãos canadenses que detiveram, Michael Kovrig e Michael Spavor, de roubar segredos de Estado.

A detenção dos dois canadenses, juntamente com a escalada da sentença de outro canadense acusado de contrabando de drogas para a sentença de morte, são amplamente vistas como a retaliação da China à prisão de Meng no Canadá.

Mais recentemente, a China bloqueou embarques de canola de uma empresa baseada em Winnipeg.

Revelações

O uso que Pequim faz da mídia, da guerra legal e psicológica para proteger a Huawei mostra que a Huawei e o Partido Comunista Chinês (PCC) estão trabalhando em equipe para atacar os Estados Unidos e o Canadá.

Muito pode ser observado a partir da ação coletiva do PCC e da Huawei e do seu funcionamento interno, enquanto tentam lançar um contra-ataque contra o Ocidente.

Observação 1: A estreita relação entre o PCC e a Huawei

Embora tanto a Huawei quanto o PCC tenham alegado repetidas vezes que a Huawei é uma empresa privada e que não existe um vínculo formal entre ela e o regime comunista chinês, as ações tomadas pelo PCC revelaram a relação entre elas. Depois que Meng foi presa, o aparato diplomático e de propaganda do partido começou a atacar constantemente o governo canadense, cidadãos canadenses foram detidos e a embaixada chinesa nos Estados Unidos enviou um convite à mídia em nome da Huawei.

Huawei President Ren Zhengfei (R) shows Chinese leader Xi Jinping around
O presidente da Huawei Ren Zhengfei (dir) mostra os escritórios da empresa de tecnologia ao líder chinês Xi Jinping em Londres, em 21 de outubro de 2015 (MATTHEW LLOYD / AFP / Getty Images)

Fundada pelo ex-oficial do Exército de Libertação do Povo, Ren Zhengfei, a Huawei teria ligações com os militares, o aparato de segurança pública chinês e o ex-líder do regime chinês Jiang Zemin. Essas fortes conexões significam que muitas elites do Partido têm muito em jogo com a Huawei. Além disso, tendo ocupado uma posição executiva na empresa por um longo tempo, Meng deve ter muitas informações confidenciais que o regime chinês não deseja colocar nas mãos dos promotores norte-americanos.

Observação 2: A dependência estratégica do PCC e da Huawei

O PLA da China lançou pela primeira vez uma estratégia de guerra de mídia, legal e psicológica em 2003, empregando-a como uma tática central em relação a Taiwan. A estratégia do estado agora está sendo aplicada à batalha da Huawei contra os Estados Unidos e o Canadá.

O fato da estratégia estar sendo usada pelo PCC com a Huawei mostra o nível de importância que o Partido deposita na empresa.

A empresa faz parte de muitos dos projetos de monitoramento e vigilância do regime, incluindo o Golden Shield Project, o Skynet Project e o Xueliang Project. É também um ativo fundamental na ambição de dominação de Pequim na emergente tecnologia 5G.

Observação 3: O regime chinês quer mostrar sua autoridade internamente

A economia da China está se deteriorando e o regime está ciente de que muitos membros do Partido não estão satisfeitos com a forma como as questões comerciais dos Estados Unidos e da China estão sendo tratadas.

As autoridades, portanto, querem usar sua sustentação da Huawei como um sinal de força no mercado interno.

Observação 4: O PCC quer que a questão faça parte das negociações comerciais Trump-Xi

De acordo com relatos da mídia, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o líder chinês Xi Jinping podem se reunir até o final deste mês para chegar a um acordo comercial. Ao fazer muito barulho sobre a Huawei, o PCC quer que a empresa e o caso de Meng façam parte das discussões nas negociações comerciais.

Observação 5: Criando uma barreira entre o Canadá e os Estados Unidos

Canadians Michael Spavor (L) and Michael Kovrig
Os canadenses Michael Spavor (esq) e Michael Kovrig foram detidos na China desde que o Canadá prendeu a diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, em Vancouver, em dezembro de 2018 (AP Photo)

Mesmo que Meng tenha sido presa a pedido dos Estados Unidos, foram os cidadãos e indústrias canadenses que a China visou, tentando colocar pressão psicológica no Canadá para levantar objeções aos Estados Unidos de que o Canadá foi pego no meio da situação.

Este objetivo está alinhado com a estratégia do PCC de criar uma barreira entre as alianças ocidentais, a fim de dividir e conquistar.

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS