Estadão exclui fake news após usar menina para atacar Bolsonaro

0
0

“Uma menina se recusou a cumprimentar o presidente Jair Bolsonaro durante celebração de Páscoa na última quarta-feira, 17, no Palácio do Planalto”, dizia o primeiro parágrafo da matéria que o Estadão deletou.

O jornal O Estado de S. Paulo tirou do ar uma fake news afirmando que uma menina havia se recusado a cumprimentar o presidente da República, Jair Bolsonaro, numa cerimônia de Páscoa no Palácio do Planalto, em Brasília, na última quarta-feira (17).

“A página que você tentou acessar não existe ou foi removida” é a mensagem que recebemos ao tentar acessar o link.

A matéria do Estadão repercutiu em vários veículos da velha imprensa e na maioria dos blogs petistas. Catraca LivreVejaDiário do Centro do Mundo e Estado de Minas foram alguns dos sites que compartilharam a informação falsa.

“Quando ele cumprimenta as crianças que estavam na última fila do grupo, a menina cruza os braços e faz sinal de negativo com a cabeça diante da investida do presidente. O momento ocorre aos 28 segundos do vídeo”, afirmou o jornalista Daniel Weterman, que assinou a matéria.

O vídeo sobre o qual ele se referia foi compartilhado no perfil oficial do próprio presidente na rede social Twitter. Confira abaixo:

A fake news do Estadão foi desmascarada com o apoio das redes sociais.

O vídeo abaixo, que foi compartilhado pela internauta Paula Câmara no Twitter, mostra a garota sorrindo na recepção e o motivo pelo qual em determinado momento ela balançou negativamente a cabeça

Palmeirense, Bolsonaro perguntou aos jovens: “Quem aí é Palmeiras?”. Ao cruzar os braços e balançar a cabeça, a garota demonstrou apenas que certamente não é palmeirense.

Dois dias atrás, o jornal Estadão havia publicado um editorial elogiando o discurso de Bolsonaro defendendo a imprensa. Agora, utiliza uma criança para atacar o presidente da República.

Mais um episódio lamentável para o histórico da velha imprensa brasileira.

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS